Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

06.Jun.18

Palavras Cruzadas - Onde gostava de ter acordado hoje

"Onde gostavas de ter acordado hoje?" Perguntou-me a Rita.

 

Primeiro, e é sempre importante referir, é bom sinal acordar.

Só por aí, é positivo.

 

Segundo, se pudesse acordar já no trabalho, sem ter de me deslocar no trânsito infernal, também era bom, estranho, mas bom.

 

Terceiro, num harém. Quem nunca? Sou humano...

Calma. Calma rapariga que apanhou o bouquet, estava a referir-me a um harém de camas e colchões em que depois pudesse rebolar em todos os sentidos e estar assim na ronha indefinidamente...Ah que felicidade!

Mas tenho de cair na realidade, não vai acontecer...

 

Quarto, é a resposta certa.

 

 

Mas toda esta temática do acordar fez-me recordar uma questão que sempre me atormentou:

 

Porque é que somos tão feios quando acordamos?

 

Reparem bem, quando estamos activos e em stress, as nossas pupilas dilatam, produzimos hormonas, os motores ficam ao máximo, somos mais vezes brutos e mesmo assim se não tivermos cuidado até aquela colega marota do escritório nos pisca o olho. Estamos esgotados, enervados, mas mesmo assim charmosos? Porquê?

 

Por este ponto de vista, quando passamos pelas brasas ou terminamos o nosso SPA de pobre do dia-a-dia, no mesmo colchão dos últimos 10 anos, deveríamos ser capazes de humilhar o próprio James Bond no jogo da sedução. De baterias bem carregadas a emanar amor por todos os poros.

Só que não. Negativo caro leitor. Negativo.

 

O único sentimento que emana de um recém acordado é o de sofrimento por ter acordado. Principalmente se acordados por um toque de despertador precoce.

Os olhos recusam-se a abrir, a boca fica colada e com sorte temos uma narina obstruída por um ou mais daqueles animais que gostam de bananas. O acordar desta forma é como arrancar um carro com o travão de mão puxado, é contra-natura e faz mal à direcção, do carro e da nossa vida também.

 

Mas nem tudo é mau. O acordar é o derradeiro teste numa relação a 2 (ou a mais, caso o leitor seja moderno).

Quem consegue olhar para nós 2 segundos depois de termos acordado e mesmo assim continuar connosco, é amor verdadeiro. Vá por mim.

Acredite, mesmo que a Maya não o tenha dito numa qualquer revista.

 

Mesmo assim, embora me incomode, mais vale dormir e passar por esta fase para o resto dos dias da nossa vida porque na realidade ainda existe um estado bem pior do que o do recém acordado: o daqueles que não conseguiram dormir.

 

Aí nem a colega marota do escritório nos pega...

 

 

(imagem)

 

P.A

_____________

Este foi o 14º texto da rubrica Palavras Cruzadas, criada em parceria com a Rita da Nova. A ideia é irmo-nos desafiando uns aos outros através da escrita e escrevermos sobre temas que saem um pouco da nossa zona de conforto ou registo. Mas não só entre nós! Vocês também podem sugerir temas e escreverem também se gostarem das sugestões!

Esta semana escolheu a Rita. Vão ao blog dela descobrir onde gostaria uma rapariga que ama gatos, livros e um humorista, de acordar hoje!

Para daqui a duas semanas e como estamos em plena época, que tal falarmos de despedidas de solteiro? A ideal, a pior ou a melhor, vou ficar à espera para ver o que tens a contar!

 



5 comentários

Comentar post