Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

26.Set.18

O primeiro beijo (com dicas)

O primeiro beijo é como a nossa primeira declaração do IRS, existe um grande fascínio à volta, porque todos os adultos o fazem e falam sobre isso, mas depois na hora ou não sabemos preencher bem a coisa ou recebemos bem menos do que estávamos à espera. E aquilo que antes era um fascínio, passa a ser uma obrigação fiscal que, para alguns casais, passa a ser igualmente anual.

 

Mas a verdade é que nunca mais nos esquecemos do primeiro.

 

O meu foi no infantário. Sim precoce. Mas sem mérito algum da minha parte.

Tudo porque no meu infantário, uma colega, essa sim precoce, que por sinal usava e abusava de batom vermelho nos seus jovens lábios, todos os dias me presenteava com dois beijos de "olá" e todos os dias eu fazia exactamente a mesma cara de busto do Cristiano Ronaldo e limpava aflito a cara daquela substância vermelha que me fazia cócegas na bochecha.

Ela, vendo a minha reação, começou a repetir cada vez mais, até que eu, rapaz jovem, desenvolvi uma das primeiras marcas de macho alpha, enchi-me de coragem e comecei...a fugir dela.

 

Como corria. Corajosamente.

Como fugia. Corajosamente.

Como me escondia. Corajosamente.

 

Um verdadeiro Don Juan, só que escondido atrás do pilar.

Ao longe. 

 

Infelizmente esta minha atitude teve o efeito oposto. E os ataques continuaram a aumentar.

Até que um dia, baixei as defesas ao entrar numa sala, e de imediato, sinto alguém a segurar-me no colarinho do meu bibe xadrez vermelho e branco e a encostar-me bruscamente à parede. Sinto o impacto nas costas e quando olho em frente já só deslumbro dois lábios esticados esborratadamente vermelhos da minha direcção.

Era tarde demais.

Fui beijado.

Beijado. E beijado... e beijado outra vez.

Foi o meu primeiro mas também o meu 39º beijo nesse dia.

 

Nem todos nós temos a sorte de ser José Malhoas da vida romântica.

Onde basta ir a um baile de verão e é logo beija beija, atrás da Igreja.

Aqui nem o padre ajudou.

 

Por isso e para que o vosso primeiro beijo ou próximos, sejam declarações de IRS consideradas certas após validação central e devidamente bem recompensadas, apresento-vos alguns pontos base a seguir:

 

1- Fechar os olhos se o parceiro não for agradável à vista.

2- Não ter pastilha elástica na boca, a não ser que o parceiro seja adepto de ménage.

3- Se o parceiro for dos faladores, deixá-lo primeiro dar à língua.

4- Se o parceiro for dos tímidos, bom, alguém terá de ser o falador.

5- Se a direcção estiver desalinhada levar a mão à cara do parceiro simulando um cafuné, encaminhado para a direcção certa.

6- Não falar durante o processo. (parece óbvia mas há quem tente...)

7- Terminar sempre com o típico beijo dos correios. Carimbo seco, a sinalizar o fim.

8- Se correr mal, não dizer que a culpa é minha.

 

 

 (imagem)

 

P.A

 

___________

Este foi o 21º texto da rubrica Palavras Cruzadas, criada em parceria com a Rita da Nova. A ideia é irmo-nos desafiando uns aos outros através da escrita e escrevermos sobre temas que saem um pouco da nossa zona de conforto ou registo. Mas não só entre nós! Vocês também podem sugerir temas e escreverem também se gostarem das sugestões!

Este tema foi minha sugestão, vejam o que a Rita  escreveu no blog dela! 
Para a próxima, que sugeres Rita?



1 comentário

Comentar post