Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

26.Jan.17

O Informático - O primeiro dia

Caríssimos,

 

Dados os comentários ao post da semana passada de "O que é um informático?" percebi que estamos perante uma situação que exige intervenção do P.A. Poderia ignorar e não fazer nada, mas não consigo.

É como não ajudar uma velhinha a atravessar a estrada. É um assunto que mexe comigo emocionalmente.

 

Resolvi portanto prolongar e detalhar um pouco mais este tema. Claro que como me afecta de forma muito particular, pode ser que me exacerbe um pouco mais em algumas descrições. Estão avisados.

 

Apresento-vos então o primeiro dia de aulas na faculdade, o que por si só já é um choque para qualquer curso, mas neste caso ainda é pior.

E porquê? Dou alguns exemplos.

 

Notem apenas que esta realidade hoje em dia pode estar um pouco menos agreste, mas é a minha história e a de muitos outros que conheci que venho aqui partilhar.

 

Como qualquer rapaz normal do secundário, vimos formatados de uma rotina de convivência, companheirismo e relacionamento pessoal, hormonal, típico da idade, ou seja, como se diz na gíria  "gajas" .

Temos 18 anos caramba!!

Vocês não sabem medir a profundidade do golpe que é estar na flor da idade e não existir a definição de "gaja boa da turma", aliás nem gaja de coisa alguma! 

É completamente contranatura! É como termos um Porsche e não conseguir meter a mudança para arrancar! O motor pede, mas falta ali qualquer coisa e não entra! Só faz barulho!

É que para verem bem, até vão mais raparigas por engano à casa de banho dos rapazes no pavilhão de química, por mês, do que às aulas de Programação 1, que foi logo a minha primeira aula. (contaram-me, não estive lá um mês escondido, a vigiar, claro...)

É que até daquela rapariga do secundário que me assustava, tive saudades naquele dia.

Lembro-me perfeitamente de ponderar se estaria realmente a seguir os ideais de Darwin. A procriação da espécie pareceu-me algo impossível naqueles parâmetros, anos e anos de evolução para terminar ali naquele momento, num anfiteatro sem ovários.

 

Foi aí que percebi que os psicotécnicos do secundário não estariam assim tão errados quando me sugeriam exercer a arte de ser Padre.

E não estou a brincar. Nem eu sabia que isso era uma hipótese!

 

É que vejam bem, até os padres, que não conduzem aquele tipo de Porsche, têm mais raparigas na audiência..

 

Enfim...Ámen.

 

Ámen não pa!

Até nisto!

Áwomen caraças!

 

P.A

 



13 comentários

Comentar post