Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

Qua | 20.02.19

O dia dos namorados, 7 dias depois

P.A

É verdade, já ninguém se lembra.

Mas há uma semana atrás foi o dia de vermos casalinhos fofinhos no Instagram a postar o quão felizes estavam por jantar fora com a sua cara metade.

 

O amor tem destas coisas, quem diria que estaríamos felizes por pagar mais pela mesma refeição, só porque alguém desenhou um coração no prato e resolveu mudar o nome do seu rude "bitoque à caçador" para "amor eterno". 

 

- Casal apaixonado no restaurante no dia dos namorados:

"Em que consiste aqui o vosso amor eterno?"

 

- Empregado cansado de ouvir a mesma pergunta pela 257ª vez:

"É um bitoque. Temos vaca e porco."

 

É assim o amor. 

Só espero que o PAN não saiba disto e destrua este amor eterno.

 

Mas nem só de casalinhos é marcado este dia no Instagram. Temos também as solteironas e os solteirões.

 

No fundo o dia de São Valentim é o único dia em que o Instagram se transforma numa espécie de Tinder para estes, que aproveitam a ocasião para recordar o seu estado civil a toda a gente, postando fotos normalmente sozinhos com um grande sorriso, de copo na mão, acompanhados sempre de uma frase típica:

 

"In love with life" ou "I found my real love. Me" ou "I love myself!"

 

Que é como quem diz...

 

 "Se por acaso alguém solteiro estiver a ver isto é só para recordar que eu continuo solteiro e disponível!"

 

O dia termina. Os casais voltam a casa de mão dada e menos uns euros no bolso e os solteirões limpam as lágrimas antes de voltarem a verificar por uma última vez se têm mensagens novas no Instagram, antes de se deitarem.

 

E depois?

 

Uma semana depois, o ramo de flores oferecido murchou.

Os chocolates em forma de coração acabaram, deixaram de bater. Jantam-se restos de um amor eterno mal passado.

Não saem de casa, ficam no sofá. Dão as mãos.

Mas ao telemóvel.

 

Faz hoje uma semana que se lembraram de namorar e que tal hoje também?

 

E irem hoje jantar fora? Cinema? Teatro?

( é mais barato e tem menos fila hoje )

 

Ou mesmo em casa, e que tal levarem hoje uma prenda? 

( é mais barato hoje e tem menos fila também)

 

E que tal enviarem este post à vossa cara metade que está ao telemóvel no sofá ao vosso lado e não vos liga nenhuma?

( é do mais barato que há e não tem fila nenhuma que ninguém lê isto )

 

Vá, caso contrário, nem tudo é mau também, se correr mal, para o ano, no próximo dia dos namorados, sempre vão poder postar uma foto vossa a sorrir, de copo na mão e explicar, sempre numa frase em inglês, como se amam eternamente.

 

Sem bitoque. Mas à caçador.

 

(imagem)

P.A

 

 _____________________________ 

Este foi o 31º texto da rubrica Palavras Cruzadas, criada em parceria com a Rita da Nova. A ideia é irmo-nos desafiando uns aos outros através da escrita e escrevermos sobre temas que saem um pouco da nossa zona de conforto ou registo. Mas não só entre nós! Vocês também podem sugerir temas e escreverem também se gostarem das sugestões!

Este tema foi minha sugestão, vejam o que Rita escreveu no blog dela! 



1 comentário

Comentar post