Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

30.Ago.17

Finalmente acabou GOT!

Citando o programa apresentado por Guilherme Fonseca do grande Canal Q, só me aflige dizer: "Graças a Deus".

 

Graças a Deus!  Acabou a temporada da série Game of Thrones (GOT)!

 

Posso finalmente voltar a socializar com o meu grupo de amigos!

 

Sim, eu faço parte daqueles 0.1% de seres humanos que não acompanham a série. E não, não foi uma aposta mal perdida e nem se trata de um distúrbio mental, ou pelo menos neste caso não o é. É mesmo um acto consciente da minha parte.

 

Podem "bullyzar" à vontade.

Mas deixem-me lá esclarecer primeiro umas coisas se faz favor:

 

Primeiro: Não sou Portista, nada contra, mas dragões não é a minha praia.

 

Segundo: Sou demasiadamente pudico. Aliás, já devem ter percebido isso pelos meus textos sempre tão sérios e correctos e nunca brincalhões ou semi-ordinários. Como devem imaginar e é "internetmente" sabido, GOT apresenta (ou apresentava?) níveis de nudez que me iriam afligir profundamente. Nem iria conseguir comer pipocas da mesma forma depois.

 

Terceiro: As estações do ano não fazem sentido em GOT. Em Lisboa chove em Agosto e ali? Sete temporadas para chegar o Inverno? Não me tomam por tolo a ver isso.

GOT é o "Levanta-te e Ri" dos senhores do IPMA.

 

Quarto: Na realidade, não tenho o canal Syfy. Senão até tinha visto.

 

Mas voltando ao dia-a-dia sem GOT.

 

As terças feiras vão voltar a ser divertidas. Já vou conseguir finalmente participar na conversa de almoço do pessoal do trabalho. Já não vou receber aqueles olhares como se estivesse num almoço de Jet-7 das séries e pertencesse a uma classe social mais baixa, que vê apenas o The Walking Dead que ainda por cima está em pausa agora.

Saudades do tempo de Westworld, em que tinha outro estatuto no grupo e partilhávamos esse conhecimento, essa experiência. Mas claro, com a chegada de mais uma temporada desta GOT, perdi tudo. Todo aquele acesso VIP desapareceu. Tudo perdido e de uma semana para a outra.

 

Que conforto é agora a ausência de nomes como Jon Snow (ou João das Neves para os amigos), Hodor, Tyrion, Cercei ou até mesmo do tão comentado Red Wedding.

E todos aqueles memes e gifs que existem de GOT? Que é suposto sorrir quando me mostram e na realidade não percebo o que significam?

 

Tudo isso acabou finalmente.

 

Que sossego estes próximos dois anos até ao regresso de nova temporada. Maravilha.

Sinto-me novamente eu, integrado e aceite.

 

Graças a Deus!

 

Agora só me falta gostar de sushi.

 

(imagem)

 

P.A.



29.Ago.17

Fui entrevistado e não tive de pagar

É verdade. E nem foi a minha mãe ou avó. Juro.

Deixo-vos aqui um ligeiro teaser para verem como sou genuinamente estúpido e nem noutras casas me sei comportar:

 

O que te levou a decidir criar um blog?
Infelizmente, sofro de falta de originalidade em escolher nomes. De tal forma que o meu blog se chama “A Minha Namorada Apanhou o Bouquet”. Pelo menos é auto-explicativo.
Um dia, quando tiver um filho, só espero que não se chame “Fiz amor com a tua mãe”.

 

Há quanto tempo tens o teu blog?
Sinceramente não ligo muito a datas, nem fico preso nesses clichés de contagens para aniversários. Nunca foi o meu estilo.
Faz amanhã ao meio dia, 314 dias 19 horas e 23 minutos que escrevi o meu primeiro post.
 
 
O resto podem ler já de seguida, é rápido, prometo e até tenho uma proposta de emprego à vossa espera aqui: Entrevista ao P.A.
 
 
 
Olha que até gostei disto. Se mais alguém me quiser entrevistar, avise. Sem medos.
 
Afinal de contas, como disse, sou uma espécie de Batman dos Blogs, só prefiro usar calças de homem.
 

 

 (imagem)

 

 

P.A.



28.Ago.17

O Topless

Existem sentimentos mistos no que trata ao Topless.

Eu sou a favor. Todos nós devemos ser livres de poder tomar essa decisão. Mas por outro lado, existem alguns casos que fazem confusão a alguns rapazes.

Fica-se então pelo seguinte: 

SIM ao Topless

*excepto em homens com mamas.

(Cria confusão desnecessária no cérebro masculino.)

 

 

Para quem não sabe, Topless é a arte divina que uma donzela tem de, ao retirar a parte superior do seu biquíni,  transformar a maioria dos homens em seu redor em homus poucus sapiens et extremamentus atentus.

 

Esta espécie masculina é caracterizada pela sua inabilidade pública de conseguir desviar o olhar de tal ausência de tecido e geralmente padece de torcicolos crónicos. Alguns, mais chico espertos, apresentam sinais de uso e abuso de óculos de sol - ignorando o facto dos seus olhos, mesmo assim, estarem visíveis para todos.

Têm como hábito, numa semelhança à reza islâmica, de se virarem na toalha sempre orientados, não para Meca, mas sim para o Topless. E assim ficam horas. Na sua reza. Religiosamente orientados. 

 

Como eu sou preguiçoso e conheço este comportamento masculino, sempre que chego a uma praia e sinto o chamamento "divino" não perco tempo em busca de "Mecas", sinceramente não me preocupa, afinal de contas basta olhar para os olhos dos machos que já lá estavam e já o fizeram por mim antes.

Nunca me falharam nas suas rezas.

 

No entanto, como normalmente estão acompanhados por conhecidos/família/amigos gostam de se manter publicamente ateus ou então fiéis sim, mas apenas à religião da sua companheira. Pelo que acabam por realizar a sua reza a "Meca" sempre de forma clandestina, como se um acaso do destino se tratasse e nunca fosse essa a sua real vontade, numa espécie de "calhou estar virado para ali", como se os seus movimentos na toalha fossem todos eles inocentes, arbitrários e insuspeitos.

Se por ventura um amigo/marido/namorado/vizinho/etc vosso voltar de férias com um escaldão apenas no braço direito, já sabem para onde fica "Meca" este ano, na Praia da Rocha.

 

Para os mais desnorteados fica claro o porquê de a praia do Meco se chamar Meco. É auto-explicativo. Afinal de contas é a praia mais "religiosa" de Portugal, conhecida pela peregrinação constante dos religiosos mais fundamentalistas do topless: os nudistas.

 

 

Aos mais ateus, aconselho a não ir. Até porque seriam vocês os observados.

 

Afinal de contas iam ser vocês os Adão e Eva que comeram a maçã. Ali todos vestidinhos e infiéis.

 

(imagem)

 

P.A

 



17.Ago.17

Como escolher o homem certo

Como hoje, por essas 7:44, foi registado um pequeno sismo (de 4,3) com epicentro em Sobral de Monte Agraço, sentido também por toda a Lisboa e eu sempre sonhei escrever artigos dignos desta nova categoria que anda muito na moda, a "Lifestyle", percebi este sinal da natureza e junto finalmente o útil ao agradável, aqui no blog.

 

Natureza podes descansar. Deixa lá de brincar ao Jenga com as placas tectónicas. Eu cedo à tua chantagem física.

 

Vamos lá ser "Lifestyleiro" e "Cool" e "In" e "yes".

 

Certamente já se questionaram alguma vez na vossa vida:

Estão com uma pessoa. Tudo parece correr bem na vossa relação. Mas como saber se aquele jovem masculino mais ou menos robusto que está ali à vossa frente é realmente o ideal para vocês?

Até agora parece ser uma pessoa normal. Fala, é bom sinal, e até tem algum sentido de humor. Mas chegará esta primeira impressão?

Foi realizado um estudo que concluiu que as mulheres demoram, em média, cerca de 7 segundos até saberem se alguma vez vão gostar daquele homem. A tal chamada primeira impressão.

Mas será obra do vosso instinto feminino, que desconheço, a funcionar? Ou depende apenas da quantidade de Axe com que ele se regou antes de aparecer?

Eu e a Axe preferíamos certamente a segunda. Mas embora ajude "Axionar" essa perfumada rega antes de vos conhecer, mesmo assim não é garantido o sucesso nesta vossa primeira análise.

 

Por isso, apresento-vos 3 dicas infalíveis para ajudar a não serem surpreendidas quando já for relativamente tarde, naquela a que chamo de noite de todas as verdades: A noite de núpcias.

Quando, qual filme do "Senhor dos Anéis", o vosso pequeno e eterno Romeu, depois de colocar o anel no seu dedo se transforma num Gollum alucinado. Tudo porque o Benfica fez outra vez uma má pré-época.

 

Embora tema represálias por revelar informação altamente confidencial sobre a irmandade masculina, selada por décadas e décadas de evolução testosteronal, como me pagaram um café (dos cheios), aceitei divulgar.

 

Aqui vai: 

  

  • Olhem sempre para o porta-chaves dele

 

Sim. Porta-chaves. Um porta-chaves masculino diz muito sobre um homem.

Um homem só com uma chave, é um homem só com uma casa ou só com um carro. Aquela chave garantidamente não abre os dois.

Por isso, ou vive com a mãe, ou no carro.

Por outro lado, um homem com mais do que 5 chaves. É mais problemático, provavelmente, não terá tempo para vocês.

E pela certa terá já outra família...

 

Sugiro que procurem então um homem com 5 chaves. Nem mais, nem menos. É esse o homem ideal.

Curiosamente, nem me tinha apercebido que é o exacto número de chaves que tenho actualmente no meu porta-chaves. Coincidência.

 

 

  • Ponham-no a falar com a avó

 

Sim é um óptimo teste. Se ele não fizer aquela voz fininha de netinho da vóvó, não tem coração. Tem uma pedra.

E eu não digo isto porque fui gozado quando aconteceu a primeira vez e agora tinha de dar a volta à situação. Não. Foi um estudo que li também.

 

 

  • Acompanhem-no num hobbie dele

 

Seja ir ao estádio ver futebol, seja a colar selos ou a jogar FIFA ou PES. Tem de ser algo que ele goste bastante, para estarem no ambiente dele.

Se por acaso forem ao estádio ou estiverem com ele no auto-denominado "tempo de Playstation" e não lhe ouvirem um único palavrão, é normal. Está tudo bem. Mas se por ventura ele for dos que gosta de colar selos e nesse período não lhe ouvirem soltar nenhum tabuísmo, aí sim, desconfiem. Está-vos a esconder alguma coisa.

Ninguém de bem cola selos sem recorrer à asneirola. 

 

 

 

(imagem)

  

Depois digam como correu.

 

E se sentirem aquele tremer quando virem o tal rapaz, não "sismem" logo que é o tal. Pode ter sido apenas outro sismo de 4.3.

 

P.A



14.Ago.17

Hoje é o melhor dia para trabalhar!

Hoje é aquele dia que há 8 meses atrás, na entrada do novo ano, todos os que trabalham, olham pela primeira vez o actual calendário (como fazem desenfreadamente todos os anos) e ao repararem no 14 de Agosto, exclamam prontamente uma palavra:

 

PONTE!

 

Aquela felicidade anual de conseguir encaixar todas as peças do nosso dominó do ócio, por forma a unir o maior número possível de fins-de-semana a feriados, atinge hoje um dos seus expoentes máximos.

Feriados em Agosto, só podiam ser religiosos. É obra divina. É caridade na sua mais pura forma.

 

Hoje, com aquele tiro certeiro no submarino, no Agosto-14, conseguimos uma frota anti-laboral de 4 dias.

Nem nas grandes marcas vemos promoções assim. "Tire um dia de férias, leve 4 seguidos sem trabalhar" - É marketing demasiadamente agressivo.

 

No entanto, tenho uma outra ideia. Vamos ser racionais. Não vamos comprar logo aquele colchão que, se calhar, nem precisamos.

Não vamos ser logo devorados por este tsunami de marketing anti-laboral sem pensarmos bem primeiro. Com calma.

 

Eu admito. Não tenho vergonha em dizer: Hoje não faço ponte.

 

Mas antes de me chamarem nomes e acharem que saí do armário cedo demais, experimentem primeiro trabalhar hoje.

 

A sério, reparem nisto:

 

- Hoje o vosso adorado chefe não trabalha;

- Hoje, provavelmente, os vossos clientes não trabalham a 100%, logo vão ter um dia mais calmo;

- Hoje, terão também pouco trabalho e acabam por receber o ordenado na mesma;

- Hoje, além de vocês, terão apenas na vossa empresa, o segurança e mais as 3 pessoas que leram isto; [Força mãe, avó e leitor desconhecido da Amora! Bom trabalho!]

- Amanhã têm o vosso feriado intacto na mesma;

- E ainda ganham um dia de férias que podem tirar num outro dia qualquer e de preferência quando o vosso adorado chefe trabalhe;

 

Há que ser racional. Pragmático. Hoje é o melhor dia para trabalhar!

 

E não andar para aí a inventar/escrever textos só para me sentir bem, tudo porque o adorado do meu chefe não me aprovou hoje o dia. 

 

Adoro gestão racional.

 

 

(imagem)

 

P.A



11.Ago.17

Quando ele decide pedir a rapariga em casamento

Calma. A resposta é não. Ainda não.

Não sou eu.

 

Hoje trago-vos um texto de um amigo que, mesmo sem a pressão de um bouquet, resolveu pedir a sua amada em casamento.

 

Inacreditável? Ou mais corajoso que alguns P.A's que para aí andam?

Digam-me vocês.

 

Deixo-vos então com o CR.

 

Calma. A resposta é não outra vez. Não é o Ronaldo. Nem existem bustos, nem encomendas "aos pares" aqui.

 

Olá! Sou noivo!

Aliás, sou um entre muitos que sempre sonharam com esta fase até ao dia do grande momento: aquele fato comprado em saldos no ano transacto que com mais 5 quilos já não serve; os amigos e família que parece mal não convidar; o crédito pessoal com juros a 13% para as flores; o fotógrafo que quer ser wedding planner; a wedding planner que quer ser noiva; enfim, toda uma panóplia que nos motiva a encarar e a considerar o amor como algo para toda a vida, pelo menos até que a paciência nos separe!

 

Mas antes de todo este divagar, existiu um "click" por inacreditável que pareça. Algo que sem saber confessar, me fez integrar o Partido da Monogamia. Acreditar que a minha plenitude, passará por dormir em conchinha sempre com a mesma pessoa, até desenvolver úlceras de pressão ao nível dos trocanteres. [Um pequeno alerta: O CR trabalha na área da saúde, querem saber o que é? Pesquisem que eu também não sabia. Preguiçosos.]

 

Cerca de dois anos e sete meses foram suficientes para considerar este pensamento. Se existe um tempo ideal prévio de namoro, até um eventual pedido de casamento? Existe: o seu! (desde que não considere o resumo deste tempo a só um dia, e após uma ressaca de quinta-feira no Urban Beach). O tempo deve ser suficiente para que pare, e sozinho pense: "Esta pessoa aceita-me como eu sou? Aceitará as minhas manias e ainda assim, continuará com um brilhozinho nos olhos?".

 

33 anos de idade, alguns bate-chapas, dois namoros - 5 e 3 anos, considerados protótipos de união de facto, permitiram-me algum "know-how", capaz de ter alguns argumentos, num qualquer debate televisivo contra o Manuel Maria Carrilho.

A pressão social sobre o tema existe e é um preconceito! Se entre as mulheres, o desejo é fervoroso no avanço masculino para uma vida solitária a dois, entre os homens reina a "machesa" de um curriculum vitae preenchido com competências adquiridas através do maior número de nacionalidades femininas possível! Ora, o bullying perante um lobo solitário que se decide "anilhar", é uma premissa constante, nas conversas matinais aquando o café & cigarro!

 

A questão da idade, também é considerado um factor de pressão, mais no sexo feminino pelo período fértil de ovulação! "33 anos?! Com a tua idade, já tinha os gémeos e estava grávida do Afonso!" (igual a já não posso com as tuas fotos de viagem no Instagram com #metenojo).

Quero acreditar que o Mick Jagger e os seus cerca de vinte filhos, fazem justiça a que nunca é tarde para nada, ao som da "Satisfaction".

 

Em suma: todo este processo é como um lançamento de pára-quedas, pelo menos, imagino que assim seja, visto nunca ter saltado! A adrenalina e o medo é uma constante até ao "lançamento". O take-off do avião, apesar da proximidade com o céu, faz-nos pensar no harém que deixamos para trás, bem assente na terra, numa saída à noite no Kaxaça.

Depois de "saltar", não há volta a dar. Existem duas opções: sabemos que a sensação de liberdade de voo poderá perdurar até ao final das nossas vidas; Ou a condução do voo da nossa companheira nos faz entrar num estado de inconsciência e passividade, que não nos salvará de um "divórcio" com o pára-quedas de reserva!

 

CR

 

CR, obrigado por este verdadeiro serviço público.

Eu já anotei algumas coisas...

 

E o pedido, como foi? - Perguntam vocês.

Vai ter de ficar para uma próxima!

 

 

 (imagem)

 

P.A

 



08.Ago.17

O Café em Horário Laboral

Beber um café em horário laboral é, para a maioria das pessoas que conheço, um acto social.

 

Muito embora, para mim, pela minha observação, seja para alguns apenas um mero escape do trabalho, numa espécie de desculpa perfeita que o chefe não leva a mal, só para conseguirem saltar, nem que seja por um bocadinho, a cerca laboral obrigatória. 

Era como quando a nossa mãe só tolerava as nossas saídas com o Carlitos, porque era um bom rapaz e confiava nele.

Com o café, agora é a mesma coisa. O Café é nosso Carlitos na fase adulta.

 

"Oh Chefe vamos ali ao café!" ou "Oh Mãe vou sair com o Carlitos"

Não existe grande diferença. 

Ambas as situações sofrem de aceitação tácita, nem o Chefe ou a Mãe necessitam de responder.

Não se questiona, informa-se. E está tudo bem.

 

Agora pensem nisto, quando alguém vos disser que já bebeu 7 cafés e ainda são 11 da manhã.

 

Mas além deste grupo de alguns calões laborais que, se calhar, nem gostam de café, existem ainda outros que afirmam necessitar do café por motivos bem mais dignos: "O alívio do seu trânsito intestinal."

 

É que se não beberem aquele café, ficam automaticamente presos para sempre numa sexta-feira à tarde de verão, sem ar condicionado intestinal em plena hora de ponta visceral e com 4 acidentes no tabuleiro da tripa 25 de Abril!

E só aquele café, naquele exacto instante, poderá rebocar todos aqueles "veículos" sinistrados que impedem a circulação normal da via e devolver assim o tão desejado alívio.  

 

Sucede que, este senhores, são, na realidade, ainda mais inteligentes que os anteriores.

 

Tudo porque usam as duas armas mais anti-laborais toleráveis em simultâneo. A ida ao café e a ida ao WC.

Depois do "Oh chefe vamos ali ao café!" regressam em grupo e, perante os olhares dos outros que só foram beber café e se preparam para retomar o trabalho, soltam então a graçola mais utilizada para estes momentos:

"Vou ali fazer algo que ninguém pode fazer por mim!" - enquanto circulam em passo acelerado numa espécie de "rebentaram-se me as águas intestinais", mas que por algum motivo acham que ninguém nota.

[um conselho de amigo: nunca sigam uma pessoa que se apresente nesta situação visceralmente débil. Não questionem.]

 

Bom e por fim, após tão difícil parto, lá voltam finalmente ao trabalho, 35 níveis de Candy Crush depois.

 

Mas além dos tais calões e dos agarrados ao café por motivos intestinais, existem ainda os "tensionistas", aqueles a quem o estado lhes deu uma "tensão" baixa e recorrem ao café como se de um empréstimo de tensão se tratasse.

No fundo, estes usam o café como uma espécie de viagra da tensão arterial. E depois como adoram falar sobre a sua tensão e de como ela sobe extraordinariamente, logo após tomarem [outra analogia com  viagra]:

 

 "Ontem estava com a minha esposa e deu-me uma tontura, ia caindo e tudo, fui medir e tinha 9/4! Veja lá!"

 "Isso é mesmo baixo amigo! E depois?"

 "Depois fui tomar um café e subiu-me logo para 12/7!"

 "Uau, olhe eu tenho um amigo meu africano e ele diz que tem a dele sempre a 26/13!"

 "Eh pa, estou a ver que sempre é verdade a fama dos africanos no que trata a ter tensões realmente abastadas."

 

 

No meu caso e embora seja também dono de uma costela africana, o café faz-me bem. Mas não sou como os restantes meio calões ou desconhecedores de bifidus activos para regular a flora intestinal. Nada disso, eu tenho toda uma justificação lógica e construtiva para gostar de café.

Eu gosto de café simplesmente pelo ar saudável com que deixa os dentes do meu colega da frente. É refrescante para mim observar tal picasso dental, abstrai-me de todo o resto. Alivia-me bastante de todo aquele stress diário.

 

Obrigado café.

 

Por isso posso dizer que me incluo num último grupo: o grupo dos que o café lhes alivía o stress.

 

Mesmo não bebendo.

 

E vocês?

 

 

 (imagem)

 

P.A 



07.Ago.17

Os Preços Estratosféricos do Restaurante "Made in Correeiros"

O recente caso do "Made in Correeiros" [o caso do restaurante que cobra valores absurdos aos clientes que não estão informados] na baixa Lisboeta, veio mostrar como se pode brincar facilmente e sem vergonha nenhuma, com a vergonha alheia.

Numa espécie de "vou-te enganar à descarada, porque para mim és apenas um totó educado e com vergonha de parecer pobre".

 

O esquema é de tal forma bem feito que funciona qual acto de ilusionismo. Tudo começa com as assistentes/empregadas(os) à porta, para nos distrair e atrair para o restaurante. Depois apresentam uma carta com valores mais ou menos acessíveis. No entanto, ao escolher, nunca existe o prato. Então essas mesmas assistentes indicam alternativas e, por educação, acreditamos que são no mesmo intervalo de preços. O número de ilusionismo já vai a meio.

Comemos e no fim acaba o truque, chega a conta. Nem percebemos bem o que aconteceu, mas temos 500 euros para pagar. Fim da ilusão.

 

A única diferença aqui, para os números de ilusionismo em que nos é solicitada uma nota, é que no fim ainda a recebemos de volta. Intacta.

Aqui não. Aqui só resta uma cara pálida do cliente, que por educação nunca perguntou preços e que agora tem vergonha de não pagar.

 

Mas ser ilusionista é isto. É todo um saber da arte de bem enganar quem tem à sua frente. Tudo sem a vítima perceber qual foi o truque envolvido. Só sabe que aconteceu, mas nunca se apercebe que estava a cair em tal engano até o número terminar.

 

Já "Tolkien", nos seus livros de "Senhor dos Anéis", nos alertara para tal comportamento social.

 

Enquanto o nosso ilusionista "Luís de Matos" optou por ser "Gandalf the White", do bem, o "Xula" [alcunha do dono do restaurante], virou-se para o lado oposto, numa espécie de "Saruman" chico esperto das trevas da restauração.

O cliente será pois claro Frodo, o pequeno rapaz que tem por "hobbit" ser muito educado e que, embora não tenha muitas posses, honra sempre as suas dívidas. Nem que para isso tenha de ir ao limite para derreter o anel dourado que lhe fora cedido pelo tio. E nada melhor que ir ao "Mordor in Correeiros" para o fazer.

 

Mas quem é este Xula afinal?

O génio de tal negócio chama-se na realidade José Cardoso, o que para o seu tipo de negócio obviamente não pegaria. Era como se o Saruman fosse o Joaquim Esteves. Por muita bruxaria que fizesse, muito feitiço, nunca deixaria de ser o "Quim do mal" ou simplesmente "O Esteves". Ora nenhum destes nomes é levado a sério, principalmente no negócio das trevas da restauração. Pelo que Xula, encaixa perfeitamente.

Além disso, não deixa de ser uma forma analfabeta de conjugar o verbo chular. É mais do que perfeito.

 

E que fazia Xula antes desta vida nas trevas da restauração?

Embora parte do seu plano hoje em dia, passe por não apresentar a carta no seu restaurante, nos anos 90, este senhor já dava cartas do seu profissionalismo. Era mesmo uma referência nacional na arte de carteirismo no eléctrico 28. Terá sido nesta formação profissional [na universidade da vida], nas belas artes de coleccionar carteiras alheias, que terá aprendido grande parte da informação que hoje utiliza no seu restaurante:

 

1- aprendeu que a carteira dos turistas é normalmente mais pesada.

E que afinal "O turista só vem uma vez, podemos enganar e não é preciso fidelizar"

2- aprendeu a subtileza de saber retirar dinheiro sem as vítimas darem conta, sendo que quando se apercebem, já é tarde demais.

 

De facto, já dizia a minha avó, é sempre diferente quando lidamos com alguém formado na área antes de abrir o seu primeiro negócio. Nota-se aquele jeito mais profissional. Mais apto. Mais preparado. Mais refinado.

 

É outra coisa.

 

Por isso, se puderem, dêem lá um pulo. Mas cuidado! Não comam, nem bebam.

 

Não sejam Frodos.

 

 (imagem)

 

P.A

 

 

Como extra, deixo-vos 10 dicas para não serem Frodos:

 

1- Perguntar ou tentar ver os preços antes de pedir. Nada de se armarem em clientes educados do bem ou que não querem parecer agarrados.

2- Assumir que por muito gira/giro que seja o empregado, se ele sugere algo, é porque é caro.

3- Se por acaso estás a jantar com outro Frodo  que acabou de comer uma tosta mesmo sem saber o preço, o mal está feito!

Come o resto todo! Pagas o mesmo!

4- Restaurantes sem carta, menus ou preços à porta, é zona extremamente radioactiva para carteiras mais pequenas. Evitar exposição.

5- Dica anti "Xula" e "Made in Correeiros": Perguntar sempre o preço do que não está no menu.

6- Principalmente em grupos grandes, tentar manter o registo de bebidas. 43 imperiais não são o mesmo que 34. Embora os números sejam os mesmos.

7- Sobremesas. Aqui deixo em aberto. Pesar bem a possibilidade de vir a participar no Peso Pesado versus os 5 euros ou mais da Mousse que vais poupar. 

8- O café - Se estão dispostos a pagar até 5 euros, podem ignorar esta dica.

9- Conferir sempre a conta no fim. E se estiver mal, reclamar. Seja uma bebida a mais, ou a menos. Essa parte do Frodo devem manter. A humildade de dizer que falta uma cola é algo que prezo bastante nesta vida. Isso e a Maria Vieira offline.

10- O mais importante de todos: Seguir este blog.

 

 (imagem + imagem)



03.Ago.17

Quando a Justiça mais parece uma sessão de Stand-up Comedy

Um homem no Texas deslocou-se ao banco, com a esposa, e quando chegou a sua vez, o que desde logo revelou alguma educação da sua parte, apontou educadamente uma arma ao funcionário e entregou um bilhete a informar que se tratava de um assalto:

 

Assaltante: "Por ventura e se não lhe for inconveniente, poderia contactar as autoridades e informar que eu estou a assaltar este banco?"

Funcionário: "Ora essa caro assaltante, vou prosseguir com essa chamada de imediato."

Funcionário: "Deseja algum dinheiro? Uma água?"

Assaltante: "Não se incomode, pode dar na mesma, mas não me dá muito jeito segurar por causa da arma. Vou aguardar ali na sala. Não se esqueça é do tal telefonema, está bem?"

 

De seguida senta-se de arma em punho, a esposa mantém-se estupefacta, e aguarda gentilmente a chegada da polícia.

 

Das duas uma, ou é fã de Prison Break, o que não censuro. Afinal de contas só quer ir safar o irmão que está na prisão.

Ou então apostou que a Maria Vieira não ia escrever um livro sobre os seus comentários no facebook e perdeu.

 

A polícia é rápida a chegar e algemam o dito senhor. E quando este passa pela esposa, completamente chocada com tudo o que estava a acontecer, o senhor dirige-lhe umas românticas últimas palavras:

"Finalmente vou ficar livre de ti!". E sai de cena. 

 

Parece que afinal este senhor queria sair da prisão, sendo preso.

 

Terá de ser agora ela a "Amar pelos Dois"?

 

Na realidade não.

Acabou por vir a público em julgamento, algo bastante sério, o "alegado" assaltante era afinal vítima de violência doméstica.

 

Esta informação sensibilizou de tal forma os juízes, que de uma pena de 20 anos de cadeia do qual poderia ser alvo, sendo o Texas um dos estados onde mais severamente se punem as tentativas de assalto, acabaram por lhe reduzir a pena para 2 anos.

E bem, dizem vocês? Onde é que está o Stand-up da Justiça afinal?

 

Simples. Os juízes, sensibilizados, também não acharam por bem enviar o senhor para uma prisão institucional. Nada disso.

 

Condenaram-no a dois anos em prisão domiciliária.

 

Adoro humor judicial inteligente.

 

Será certamente a primeira vez que alguém será a bitch de outro, em domiciliária.

 

 (imagem)

 

P.A



01.Ago.17

O Stress de Ir de Férias

 

Julho terminou e como diria Quim Barreiros, agora "entra A-gosto". 

Mas embora aprecie poetas safadotes contemporâneos, não é do mestre de culinária, nem do arrumador de carros em garagens adjacentes ao nosso imóvel, que vou falar hoje.

Na verdade, vai ser uma prosa regada por alguns eventos stressantes, embora também com alguns peitos de cabritinha, não estivesse eu a falar em ir de férias. Gostaram? Quatro referências ao Quim Barreiros em trocadilhos?

Acho que estou a precisar de férias.

 

Para que fique claro, ir de férias é óptimo. Eu adoro ir de férias.

Afinal de contas a alternativa é muito pior.

Se há coisa pior do que ir de férias, é o não ir de férias. Acho que todos concordamos aqui.

Isto, claro, se a pessoa com quem escolhemos partilhar as nossas férias, for pior do que o nosso chefe. Aí fazer o relatório para o dia seguinte às 19 horas, parece ser mais afrodisíaco do que estender a toalha ao lado de um poço de reuniões que correram mal.

Para efeitos deste texto, vamos ser positivos e assumir que a nossa companhia é óptima, o que já facilita em 95% as nossas férias.

 

Falemos então do primeiro problema típico do ir de férias: 

 

A Logística

 

Escolher local; Marcar viagem; Marcar hotel;

Levar ou não o animal de estimação, seja ele cão, gato, marido ou esposa; Arranjar uma desculpa válida para não levar a sogra;

Que sítios visitar; Quanto dinheiro levar; Alugar ou não carro; Ainda vou a tempo de ir ao ginásio para impressionar no areal?; Sim, Não, Talvez?

 

E acima de tudo, de todas as questões, há que respeitar o orçamento.

 

Estes são alguns dos problemas que colocam os nossos neurónios em rota de colisão, mesmo antes de estarmos de férias.

Portanto, só esta inofensiva palavra, prima de "logista", já nos dá stress suficiente para redecorar a nossa zona capilar, a que chamamos de cabeça, de cabelos brancos.

 

É exactamente por isso que conhecemos aquelas pessoas que só passaram por esta fase uma vez na vida. A partir daí, desistiram. Passaram a reciclar o mesmo plano anualmente e agora é só repetir durante 30 anos. Pelo menos.

É menos um problema.

 

O segundo problema:

 

A Viagem

 

Normalmente diz se que "viajar" é dos verbos que mais nos enriquece, mas certamente que não se estão a referir a andar num carro sem ar condicionado, pelas 14 horas, num dia de 43 graus em pleno interior Alentejano. A viagem é uma espécie de promessa, de castigo, que o turista se compromete a "sofrer" para chegar a bom porto. É um sofrimento consciente por forma a valorizar ainda mais o destino que nos espera. Não enriquece. Pelo contrário, emagrece.

 

Uma vez terminada a viagem e chegados ao tão desejado destino, batemos de frente no terceiro stress em ir de férias:

 

As Expectativas

 

Aquela casa fantástica que vimos no site, aquele quarto de hotel luxuoso com vista deslumbrante em que quase sentimos a necessidade de pedir a companheira em casamento, sempre que olhamos para lá; a adrenalina de chegar a um país que queremos conhecer, monumentos, cultura, gastronomia, tudo.

Até só de estar a escrever já estou a sentir a euforia toda!

E depois ao chegar ao hotel, "houve um engano", "existiu uma troca", "foi um lapso do nosso site", "lamentamos mas o monumento encontra-se em recuperação", "lamentavelmente não vão poder ver", "já não temos esse prato".

E assim aquele nosso grande e efusivo saco de expectativas começa a tornar-se numa cara de elefante extremamente bem definida e comprida...

 

 

Os dias vão passando e com eles nasce então o quarto problema:

 

A Rotina

 

E mesmo depois de vermos as nossas expectativas transformadas em conformismo trombudo, começamos a criar uma rotina com a qual afinal, embora aqueles problemas todos iniciais, até passamos a gostar. Os primeiros dias foram uma desilusão de facto, mas agora já conhecemos, já estamos como peixe na água, já sabemos o que fazer e onde ir!

Estamos a adorar! Melhores férias de sempre!

E o que acontece?

 

É dia de voltar.

 

E chegamos assim ao quinto e último problema em ir de férias:

 

O Regresso

 

Que na realidade é apenas a duplicação do sofrimento da viagem inicial, a segunda parte de um filme que correu mal. Só que agora ainda pior. Se antes estávamos munidos de esperanças e expectativas elevadas, agora estamos desiludidos, derrotados, por aqueles primeiros dias maus e por ter acabado mesmo quando estávamos a começar gostar.

Voltando à analogia do filme, na viagem de ida sempre tínhamos pipocas para assistir que nos faziam ficar ali. No regresso não. Sentimo-nos condenados a assistir ao triste fim.

 

 

Chegamos. Estamos de volta.

E quando na realidade o objectivo era recarregar baterias, animar o espírito, ganhar anos de vida, voltamos com aquela desilusão do regresso sempre precoce, naquele eterno e doloroso domingo, que é sempre o nosso último dia de férias.

 

E de volta ao trabalho, no primeiro dia, estamos ainda mais deprimidos. Como dói.

Não só por terem acabado as férias e tudo o que apontei, mas por percebermos que podemos ser facilmente despedidos, porque afinal nem fizemos assim tanta falta...

 

Boas Férias...

 

 

(imagem)

 

P.A