Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

Arrumar coisas faz mal à sua saúde

Já pensaram que espécie de ser humano supostamente evoluído nos transformamos quando estamos em arrumações?

Seja a fazer a mala, a empacotar coisas ou outra coisa qualquer que implique ter a de fechar no fim?

Se a coisa não corre logo bem, surge em nós um Hulk das arrumações. De repente só é possível arrumar por via da força. Por via do rebentamento do fecho. Hulk arruma. Hulk esmaga.

 

Anos e anos de evolução para subitamente, quando a mala não fecha à primeira, a única e pronta solução se resumir a fincarmos os dentes com força, inclinarmos a cabeça para dar aquela força extra, cerrar apenas um olho para parecer que estamos empenhados, e puxar o fecho com toda a pujança para que este consiga fechar finalmente lá dentro tudo o que queremos.

E quando, na maioria dos casos, bastava apenas usar o cérebro e ajustar o conteúdo para fechar melhor. Hulk não pensa.

 

Mas nem sempre é assim. E quando abrimos uma mala? Quando é a desarrumar?

Se a fechar nos tornamos num monstro verde sem cérebro, a abrir somos um pequeno pónei. Carinhosos e fofinhos.

 

Quando abrimos uma mala, o mundo é perfeito.

Temos todo um cuidado. Toda uma delicadeza. A roupa tem de ficar bonita. Bailamos enquanto o fazemos, até cantamos se for o caso. Os gestos são contidos e programados de forma a não danificar. Tudo é ponderado com suavidade. Delicadeza. Sem vincos ou dobras. 

É um prato gourmet, do qual somos o chef e que deve ser reservado à temperatura e local ideais.

 

Mas e depois? Quando voltamos a arrumar exactamente essa mesma mala?

O pequeno pónei dá lugar à besta. Dobramos, enfiamos, empurramos, esmagamos, saltamos em cima se for necessário. Forçamos os cantos e não interessa se é uma roupa de seda ou se é a camisa que a avó ofereceu que está por baixo. Nada. Tem é de caber. O caber torna-se numa obsessão. No único objetivo. Ficamos primitivos numa espécie de macaco Gervásio que tem de colocar os produtos no  sítio certo. Não interessa a forma. Só queremos a banana no fim.

O que antes era um prato gourmet passou a ser agora um bitoque sola de sapato, passado demais, que já devia estar na mesa há duas horas.

Enchemos tudo à bruta, descuidadamente. Até que chega a hora H. A hora da verdade.

Tentamos fechar. E não dá.

A primeira transpiração surge. Tentamos outra vez. Sem sucesso.

Os primeiros tiques nervosos começam a tomar conta de nós.

Voltamos a abrir. Tentamos pôr de outra forma. Não fecha na mesma. A nossa cor muda.

Repetimos mais duas, três vezes, nada.

Começamos a questionar a nossa vida miserável e gritamos:

"Mas isto para cá coube tudo!" , "Que fiz eu de errado nesta vida!?"

- Passam 15 minutos -

"Fechaaaa! Fechaaa!! Fecha Porra!!" - enquanto puxamos o fecho de dentes já cerrados

- Passam 25 minutos -

Estamos deitados na cama. A celebrar. Exaustos. Finalmente fechou.

 

Só que aquilo que era a nossa mala passou a assumir uma forma um pouco própria. Uma espécie de OVNI das malas de viagem. Que aparenta ser uma mala. Mas ao longe, não há certezas.

Mas coube tudo!

 

O macaco ganhou a sua banana e o Hulk foi embora.

 

Toda esta metamorfose. Toda esta paixão.

Foi exactamente o pelo que passei neste Dia de Reis.

 

Como um bom menino nascido nos anos 80, que teve religião e moral na escola somente pela viagem de estudo, não aprendi muito sobre os costumes natalícios, mas como sempre gostei muito de prendas, o Dia de Reis ficou. Assim como a particularidade de ser o dia em que se desfaz a árvore de Natal.

 

Mas, além de ser um puto dos anos 80, sou acima de tudo um bom português. Como tal, só a desfiz ontem. Fora de horas.

 

Só que não correu bem. Nada bem. Deu luta. Muita luta. E claro, a besta tomou conta de mim.

 

Provavelmente este Dezembro, no próximo Natal, voltarei a ter muito cuidado a tirá-la da caixa. Voltarei a ser aquele pequeno pónei dócil,  tal como o fiz em 2017.

 

Resta é saber se ainda será uma árvore por essa altura. Temo que não.

 

Certamente estará bem mais careca, a avaliar pelo Outono precoce que lhe causei ontem.

 

Mas coube na caixa!

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Este Natal vi o Sozinho em Casa e não fez sentido

É verdade.

Não foi planeado. Aconteceu.

Este Natal tive o azar de ficar num lugar da mesa virado para a TV e de repente dou por mim a assistir a um dos filmes mais Natalícios de sempre. Não consegui evitar.

Eu sei que parece uma desculpa esfarrapada de um viciado em filmes que batem, mas prometi a mim mesmo que não faria aqui qualquer tipo de piadas, nem drogas nenhumas sobre o Macaulay Culkin.

 

Na realidade, nem foi o primeiro Sozinho em Casa. Foi a sequela. A SIC assim o ditou.

E foi exactamente por isso que pela primeira vez parei uns instantes e pensei no que se passa realmente neste filme de 1992.

 

E se o Sozinho em Casa fosse em 2018? Já pararam para pensar?

Provavelmente nem haveria sequela! Primeiro porque existe agora uma coisa chamada telemóvel. O rapaz ligava a descompor a mãe e já não ficava sozinho em casa.

Depois, mesmo sem telemóvel, a TVI descobria a situação, fazia uma grande reportagem em horário nobre sobre a problemática do abandono de menores e a mãe da criança era prontamente detida por negligência em 1º grau. Fim! Sozinho em casa 1 resolvido. Acabou a festa.

Nem haveria tempo para assaltos a moradias.

Ainda por mais, estamos a falar de uma mãe que já tinha a seu cargo 8 crianças! Já deveria estar mais do que sinalizada pela Segurança Social.

É o país que temos.

 

Mas voltando ao filme e ignorando o facto de nesta sequela a mãe voltar a "perder" exactamente o mesmo filho em 8, o que induz que se calhar até nem é assim tão involuntário da parte dela perder aquele, vamos tentar analisar o comportamento deste menor que vive sem qualquer tipo de referências parentais.

Primeiro, e isto tem de ser dito: O pai é um banana. É verdade! Tem 2 falas em cada filme.

A mãe por sua vez fala muito. Mas tem um problema, perde mais vezes uma criança de 10 anos do que as chaves de casa. Pode ser chato.

 

É portanto natural que esta criança sofra de graves problemas mentais. E sofre. Claro.

É que ao contrário das crianças da sua idade, este pequeno rebento quando olha para berlindes, não pensa em brincar com eles. Não. Pensa sim como podem ser bastante úteis se colocados à saída de uma banheira, ou perto de umas escadas para outras pessoas caírem.

Além disso acha normal e divertido mandar tijolos à cara de adultos.

E porque não electrificar uma porta? Eu próprio estava sempre a pensar nisso enquanto via o Rei Leão.

Tudo normal portanto. Uma criança de 10 anos vulgar, em pleno Natal.

 

Mas sabem o que mais assusta neste filme? Principalmente nesta sequela?

É que este pequeno psicopata loirinho tem dezenas de oportunidades para chamar as autoridades e informar que foi abandonado pela mãe. Mas não. Nem pondera essa hipótese.

Em vez disso, por sua iniciativa, resolve criar todas as artimanhas possíveis para viver à custa do cartão de crédito do pai, no hotel mais caro da cidade e criar novas e preocupantes armadilhas para voltar a torturar os mesmos delinquentes do primeiro filme.

A psicologia explicará melhor o problema desta família disfuncional, mas sabemos que algo está mal com um filho nosso quando este, com 10 anos, pensa em regar uma corda com um produto inflamável para depois, quando dois bandidos descem por ela, riscar um fósforo e dizer: Feliz Natal!

 

Um filme natalício. Dizem.

 

Mas o que mais adoro é a forma como termina. Sempre pleno de moral. 

 

E assim ao fim de 2 horas de violência pura de um menor sobre dois adultos, a família volta finalmente a unir-se numa imagem bonita de família feliz e de forte mensagem natalícia, em que a mãe delinquente abraça o seu filho psicopata, na presença do seu pai banana, sempre, mas sempre, calado.

 

Que comoção. Que bom o Natal. O Natal é isto!

 

Perfeito, perfeito, era só mesmo aparecer o Donald Trump!

 

 (imagem)

A sério?

 

Bom, uma coisa é certa, para o ano há mais...

 

Isto, se a segurança social deixar.

 

P.A.


E fazer like na página do facebook, não?

Escrever: Sim ou Não?

O cliché natural e mais associado ao acto de ter um blog acaba invariavelmente espremido num simples:

"Porque gosto de escrever". Quantas vezes já lemos esta frase.

Seja ele um diário, um local de desabafo, de análise política, de fotografia, moda ou até mesmo de pura parvoíce como o meu.

 

Mas não é isso que todos [que escrevem] dizem só para ficar bonito? -  Pergunta quem lê estes clichés.

Não. Isso é o que perguntam todos os que não descobriram que afinal até eram capazes de escrever. E gostar.

E digo isto porque eu era uma dessas pessoas.

Depois?

Escrevi aqui. E gostei.

 

Mas eu até consigo perceber o porquê de estarmos formatados desta forma. Somos desde muito novos levados a não gostar de escrever. Sim. Aprendemos a ler, a escrever, damos os primeiros passos nesta aventura de caneta na mão, mas o acto de escrever em si, começa desde muito cedo a ser maltratado.

É-nos apresentado não como uma forma de expressão pessoal, mas sim como algo desagradável, como se de uma obrigação se tratasse, incomodativa até:

 

"Senhora professora 150 palavras?? Eu não consigo escrever tanta coisa! Não pode ser menos?" 

 

Ou a minha versão preferida do uso da escrita - A versão castigo quando fazemos asneiras:

 

"Pedro Miguel isso não se faz! Agora escreves no quadro 50 vezes: Não volto a chamar Maria Leal à colega que sofre de epilepsia!"

 

E são 50 facadas no prazer pela escrita daquele jovem. Que, diga-se, até tem algum sentido de humor para a idade.

 

Além desta face negativa que nos é vendida em fase pirralha, para ajudar, escrever dá trabalho. É um facto.

E a preguiça, a falta de inspiração e a porcaria do Netflix são os principais inimigos de quem gosta e quer escrever mais. Já para não falar da vida. Essa sem vergonha, obesa, que nos come o tempo todo.

Além disso a escrita pode torna-se rapidamente num facto. E isso pode assustar.

Enquanto nos podemos queixar de boca: "Ah o senhor Manuel disse que vinha cá e depois não veio" e mais tarde desdizer sem pudor ou punição. Quando escrevemos não é bem assim. Fica algo escrito. Pronto a ser usado contra nós. 

 

Mas conseguindo superar todos estes níveis problemáticos, chegamos verdadeiramente à sua essência, ao seu jardim encantado: Atingimos a sua sinceridade, a sua clareza de espírito. Vislumbramos o reflexo da personalidade do autor ali, exposto, encarnado em palavras. Tudo conjugado numa harmonia de frases ao som da batuta de quem escreve. Alguém que nos leva pelo seu caminho até onde quiser.

 

Escrever é a única viagem que podemos fazer com estranhos. E não recear. 

 

Mas cuidado. Não confiem em demasia. Não lhe digam tudo.

Sabem, é que a escrita não mente. 

Isto não é uma fatiota que se veste para ir a uma festa. E está logo tudo bem.

Não.

 

Se são parvos, vão parecer parvos.

 

Vejam o meu caso.

 

Mas vale a pena.

 (imagem)

 

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Um Palácio aqui tão perto - Palácio Estoril

Se vocês fossem por um momento a namorada que apanhou o bouquet deste blog, o que fariam?

 

a) Com esta minha demora toda a dar o próximo passo, deixavam de ser a namorada e mantinham só "o apanhou o bouquet";

b) Chegavam à conclusão que afinal a vida não se move com base na apanha de qualquer tipo de planta ou vegetal;

c) Tentavam encontrar formas românticas para incentivar o rapaz a chegar-se à frente com o pedido;

d) Arrependiam-se por ele ter criado um blog e agora ter ainda menos tempo para estar com ela.

 

Embora eu próprio considere a a) como a atitude mais consciente das quatro, por outro lado discordo totalmente da d). Principalmente  se compararmos com o tempo que uma rapariga consome em média na sua maquilhagem. Se esperamos por vocês todas as semanas, esperem também mais uns dias pelo pedido.

 

Neste caso, a verdadeira namorada que apanhou o bouquet só pode ter escolhido a c). 

 

E sendo sincero, esta última tentativa foi forte. Tenho de admitir. Por momentos temi que fosse ceder. E tudo por culpa da Lux Gourmet. De um passatempo que ela venceu.

 

Mas vejam bem o plano maquiavélico desta rapariga e de quem teve a ideia deste passatempo:

 

Local (que só por si quase me ia derrotando): Hotel Palácio do Estoril.

Tal como o nome indica é um verdadeiro palácio. Temos a tendência natural de viajar para fora do nosso país e a fotografar tudo o que não é nosso, nem faz parte da nossa história, quando na realidade temos cá e neste caso aqui tão perto da capital, um exemplo de um verdadeiro palácio, pleno de personalidade, história e beleza, transformado na perfeição em Hotel.

 

Plano (feito à medida para rebentar comigo): Jantar num salão antigo de realeza - Europe Room.

8 mesas redondas para 8 pessoas preenchiam um salão que me transportou ao tempo dos descobrimentos onde P.A de Cabral já fugia para o Brasil para não pedir a namorada em casamento. 

 

Música ao vivo (como golpe final. E que golpe): Nada mais do que a pianista Pnina Becher e o seu piano no centro do salão a tocar para os presentes, precedendo cada excerto musical de uma breve introdução e contexto histórico da corte portuguesa.

 

Mas ainda não acabou.

Não. Reparem neste detalhe mesmo para me tramar. Cada etapa musical, normalmente composta por 4 composições, era acompanhada de uma prova de vinhos portugueses, cujo sabor acompanhava o estado de espírito de cada set.

 

Por fim o jantar e direito a estadia no Palácio.

 

E só por pirraça não a pedi em casamento.

 

Foi perfeito demais.

IMG_20171121_232532_629.jpg

 

 

IMG_20171121_231930_962.jpg

 

 

 

 

 P.A


E fazer like na página do facebook, não?

A Rapariga no Autocarro

Finalmente a semana passada passou.

 

Finalmente porque foi uma semana longa, cansativa e desgastante. Mas felizmente nem tudo foi mau.

A avaliar pelo título, o texto de hoje podia ser uma versão Lisboa Viva do livro < A Rapariga do Comboio > de Paula Hawkins. Ou um claro apelo ao uso da Carris sobre a CP. Mas na realidade só o estou a escrever, não pela referência ao livro, ou para alimentar derbys lisboetas de transportes públicos, mas sim pela rapariga que conheci esta semana.

 

Ao longo da nossa vida, muitas são as raparigas no autocarro que conhecemos. Mesmo sem nunca falarmos, muitas são as pessoas que cruzam diariamente rotinas connosco, umas que nos apercebemos primeiro, outras que se apercebem antes de nós próprios. Vamos coleccionando caras, aprendendo a reconhecê-las nos dias seguintes. Seja desde novos a caminho da escola, seja depois para a faculdade ou trabalho. Quem não tem a memória daquele senhor ou senhora que surge, todos os dias, no mesmo metro/autocarro/rua, na mesma carruagem e, se possível, sempre no mesmo lugar? Ou, para quem faz esta travessia, sempre no mesmo barco, a caminho de Lisboa?

Quem nunca fixou a cara de uma pessoa que se cruza consigo todos os dias na rua? 

 

Esta semana "conheci" a rapariga no autocarro. E ela "conheceu-me" a mim.

 

Esta semana chata e cansativa que me obrigou a esticar horários, a ligar noites com manhãs e manhãs com noites fez com que chocasse pela primeira vez com outras rotinas, com outras pessoas.

 

Neste novo horário cruzei-me pela primeira vez com ela. Passo todos os dias por aquela escola mas normalmente já deu o toque de entrada. A semana passada não. Fui bem mais cedo.

 

Tão cedo que o autocarro de transporte de alunos que nunca antes tinha visto, estava ali parado, bem em frente à escola, de porta aberta e com o motorista a preparar a rampa para poderem descer os alunos. Sendo novidade, acabo por olhar por aquela porta aberta e lá estava ela, sentada na sua cadeira de rodas, à espera da sua vez. À espera de ajuda para ir à escola.

 

Olhou-me também. E dos seus não mais de 10 anos de idade sorriu e acenou-me.

 

Eu estava cansado, exausto do fim-de-semana, também ele passado a trabalhar, mas ali, naquele instante, passou.

Sorri quando nem pensava em sorrir. Sorri quando há dois segundos atrás só pensava no dia chato que me esperava.

 

Sorri e acenei de volta.

Ela riu. E eu ri.

 

No dia seguinte, repetiu-se. Voltámos a cruzar-nos agora já cá fora e reconhecemo-nos. Toca a acenar e a sorrir com fartura!

 

Quarta-feira vi o autocarro a chegar e fiz questão de abrandar o passo e com isso perder, para ganhar, uns instantes. Ela viu-me pela janela e de lá acenou. Acenei de volta. 

 

Quinta-feira, não a vi.

 

Sexta-feira, perguntei-lhe o nome.

 

Obrigado Inês.

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Não vejam Stranger Things 2 (sem spoilers)

A sério, não vejam.

Principalmente se gostam de ter vida social num fim-de-semana, não façam como eu fiz. Desliguem a televisão e vão à vossa vida. 

Estou aqui a dar a cara do blog para que não cometam o mesmo erro.

Senão arriscam-se a pensar que vão estar ali só uma horinha para matar saudades do enredo e a prepararem-se mentalmente que vem aí uma nova temporada para ver semana fora e quando dão por vocês passaram 8 horas.

 

Maldita funcionalidade "próximo episódio em 5 segs" da Netflix, esses dealers de séries sabem bem como vender o seu produto. 

 

Para quem viu a primeira temporada, alerto que a segunda vicia de igual forma. Se saíram há pouco tempo da clínica de reabilitação como eu, não vejam. A sério. É terrivelmente pegajoso, viciante e bom. São cerca de 8 horas, 9 episódios, em que é imperativo ver o episódio seguinte. Torna-se numa gula impossível de quebrar a fazer lembrar aquela fome das 3 das manhã por bolachas, chocolates e outras porcarias demais que por mais que não queiras, quando dás por ti já estás com uma bolacha na boca e a jurar que é a ultima vez que acontece.

A evolução das personagens da temporada anterior, a introdução cirúrgica de novas personagens, tudo é realizado num encaixe perfeito, em perfeita harmonia. Quase que me arrisco a dizer que é tudo de forma propositada para viciar quem vê.

Só posso concluir que ver Stranger Things 2 se trata do mesmo estilo de vida que pode levar à diabetes. Os episódios começam adocicados, a trama é deliciosa e terminam sempre num rebuçado por abrir no episódio seguinte. 

Stranger Things 2 não é só uma série, é manipulação pura.

 

Ver com moderação.

 

(imagem)

 

P.A

 

*Para que veio do facebook o número do euromilhoes é: 5-9-44-32-7  e 11-7, sendo que se sair, metade do que ganharem fica para mim. É justo.


E fazer like na página do facebook, não?

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo