Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

Não é só Quase Normal, é anormalmente Bom

Gosto de musicais. Já o P.A… Estava a mostrar-se reticente.

O facto de ser o Henrique Feist um dos actores, encenador e responsável pela tradução, facilitou-me a tarefa. Um dos ídolos de pequeno do P.A. é o Songoku (a quem Feist ainda hoje empresta a voz). Obrigada Henrique Feist. 

E foi assim que o consegui levar ao Casino Estoril.

Quase Normal, um musical da Broadway, escrito por Brian Yorkey e com música de Tom Kitt, ganhou vida em Portugal através da produtora Artfeist.

 

qnormal.png

(Imagem)

 

E posso-vos dizer que este musical de rock, cantado em português, nos deixou agarrados à cadeira o tempo todo. Um misto de drama e humor, bem vivos, durante duas horas de peça que mais nos pareceram 5 minutos. Uma história em redor de um filho (Gabe – Valter Mira) e da mãe que sofre de bipolaridade (Diana – Lúcia Moniz), o que afectou a sua relação com o marido (Dan – Henrique Feist), que vive na ilusão de normalidade.

Os efeitos da doença mental e as tentativas da sua cura marcam o desenrolar da história.

Natalie (Mariana Pacheco) é a filha que vive e sofre com esta realidade, e Henry (André Lourenço), um colega seu que tenta resgatá-la destes sentimentos.

Por fim, o Dr. Madden (Diogo Leite) representa uma sátira perfeita ao acompanhamento médico neste tipo de casos. 

 

Next to Normal estreou-se na Off Broadway em 2008, venceu o prémio dos Outer Critics Circle Award para melhor partitura, e teve duas nomeações para Melhor Atriz e Melhor Partitura para os Drama Desk Awards. Em 2009 chega finalmente à Broadway!

Foi nomeado para 11 Tonys e venceu três (Melhor Partitura, Melhor Orquestração e Melhor Atriz), assim como venceu também o prémio Pulitzer, para Drama, em 2010. É o oitavo musical de sempre digno de tal honra.


  

quase.png

  (Imagem)

 

O palco com dois andares, o som, a música tocada ao vivo, o jogo de luzes, os cenários dinâmicos e aquelas vozes emocionalmente mágicas fizeram com que o nosso serão passasse a voar, e com que os musicais ganhassem um novo admirador (o P.A.).

Todo o elenco foi muito bem escolhido. Confesso que não conhecíamos tão bem o Valter Mira, o André Lourenço e o Diogo Leite. A Mariana Pacheco apenas dos trabalhos de televisão. Foi uma agradável surpresa! Já a Lúcia Moniz e o Henrique Feist, sabíamos que iriam brilhar (não seria de esperar outra coisa deles). Mesmo assim, superaram as expectativas!

 

A Lúcia Moniz é de facto, como Feist carinhosamente lhe chamou, “um monstro dos palcos”!

 

 (Facebook da Lúcia Moniz)

 

Alguém por aí já assistiu a este musical? Contem-nos tudo!

Se ainda não assistiram, mas ficaram com muita vontade de o fazer…  Apressem-se! Continua em cena no Auditório do Casino Estoril só até este domingo, dia 2 de abril.

Vamos apoiar a cultura portuguesa!

 

 

Parece que está a tornar-se “quase normal” eu dar um pulinho aqui…

A namorada que apanhou o bouquet


E fazer like na página do facebook, não?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo