Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

Carta aberta para algumas pessoas que andam de elevador

Caro senhor ou senhora,

 

Hoje falo para si. Falo-lhe hoje porque voltou a acontecer.

Por favor tenha mais cuidado numa próxima vez que estiver no elevador.

Vou-lhe tentar explicar uma coisa.

Eu sei que normalmente só o faz quando está de facto sozinho e isso lhe permite naturalmente alguma liberdade, eu sei, mas por favor tenha consciência que estamos a falar de um elevador público, está bem?

Isto porquê afinal?

Imagine que 1 segundo antes da porta abrir e de dar de caras comigo, lhe deu aquele aperto e, como está sozinho, lá teve necessidade de se soltar um pouco. "Pronto, passou. Está feito! Ninguém viu. Afinal de contas saio já no próximo andar!" pensa você?

Errado caro senhor.

O efeito secundário desse soltar, e recordo-lhe que como se trata de ar quente, surge normalmente só 5 segundos depois, pois é o tempo que demora a subir até onde é melhor apreciado - o nosso nariz. Por isso meu senhor, quando sai do elevador e depois fico lá eu, na realidade acabou de me fornecer um daqueles fantásticos vales aventura olfácticas que eu não pedi! E pior, não tenho forma de o declinar porque a porcaria da porta acabou de fechar!

 

Você saiu, mas eu não fiquei sozinho.

 

Se já está arrependido por este momento, embora seja fã de "buffets", já o considero boa pessoa. Mas ainda não acabou.

Veja por favor a parte seguinte.

 

Prossigo a minha viagem no elevador, presenteado - intoxicado. A porta abre, olho, na esperança que seja o fim da viagem, mas ainda não é o meu andar.

Entra uma senhora. E que senhora.

Meu Deus, imagine aquela nota 10, toda ela um monumento à definição do que é ser mulher. Entra, olha para mim e pisca-me o olho. 

Consegue imaginar??

Meu Deus que sorte é esta? Não é?

A porta fecha.

Só que o seu vale oferta ainda não expirou.

Eu volto a senti-lo e infelizmente ela sente-o também, pela primeira vez.

Pergunto-lhe agora caro senhor, sabendo ela que está inocente, quem será o mais que provável culpado de tal clima tropical?

Imagine e digam-me, por favor.

O senhor não será, com certeza.

 

Recebo aquele olhar lateral de reprovação, um nariz franzido e um ligeiro abanar de cabeça.

Não adianta tentar explicar. É tarde demais.

 

E tudo por causa daquele seu segundo, caro senhor.

 

O meu obrigado.

 

P.A.


E fazer like na página do facebook, não?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

43 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo