Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

Arrumar coisas faz mal à sua saúde

Já pensaram que espécie de ser humano supostamente evoluído nos transformamos quando estamos em arrumações?

Seja a fazer a mala, a empacotar coisas ou outra coisa qualquer que implique ter a de fechar no fim?

Se a coisa não corre logo bem, surge em nós um Hulk das arrumações. De repente só é possível arrumar por via da força. Por via do rebentamento do fecho. Hulk arruma. Hulk esmaga.

 

Anos e anos de evolução para subitamente, quando a mala não fecha à primeira, a única e pronta solução se resumir a fincarmos os dentes com força, inclinarmos a cabeça para dar aquela força extra, cerrar apenas um olho para parecer que estamos empenhados, e puxar o fecho com toda a pujança para que este consiga fechar finalmente lá dentro tudo o que queremos.

E quando, na maioria dos casos, bastava apenas usar o cérebro e ajustar o conteúdo para fechar melhor. Hulk não pensa.

 

Mas nem sempre é assim. E quando abrimos uma mala? Quando é a desarrumar?

Se a fechar nos tornamos num monstro verde sem cérebro, a abrir somos um pequeno pónei. Carinhosos e fofinhos.

 

Quando abrimos uma mala, o mundo é perfeito.

Temos todo um cuidado. Toda uma delicadeza. A roupa tem de ficar bonita. Bailamos enquanto o fazemos, até cantamos se for o caso. Os gestos são contidos e programados de forma a não danificar. Tudo é ponderado com suavidade. Delicadeza. Sem vincos ou dobras. 

É um prato gourmet, do qual somos o chef e que deve ser reservado à temperatura e local ideais.

 

Mas e depois? Quando voltamos a arrumar exactamente essa mesma mala?

O pequeno pónei dá lugar à besta. Dobramos, enfiamos, empurramos, esmagamos, saltamos em cima se for necessário. Forçamos os cantos e não interessa se é uma roupa de seda ou se é a camisa que a avó ofereceu que está por baixo. Nada. Tem é de caber. O caber torna-se numa obsessão. No único objetivo. Ficamos primitivos numa espécie de macaco Gervásio que tem de colocar os produtos no  sítio certo. Não interessa a forma. Só queremos a banana no fim.

O que antes era um prato gourmet passou a ser agora um bitoque sola de sapato, passado demais, que já devia estar na mesa há duas horas.

Enchemos tudo à bruta, descuidadamente. Até que chega a hora H. A hora da verdade.

Tentamos fechar. E não dá.

A primeira transpiração surge. Tentamos outra vez. Sem sucesso.

Os primeiros tiques nervosos começam a tomar conta de nós.

Voltamos a abrir. Tentamos pôr de outra forma. Não fecha na mesma. A nossa cor muda.

Repetimos mais duas, três vezes, nada.

Começamos a questionar a nossa vida miserável e gritamos:

"Mas isto para cá coube tudo!" , "Que fiz eu de errado nesta vida!?"

- Passam 15 minutos -

"Fechaaaa! Fechaaa!! Fecha Porra!!" - enquanto puxamos o fecho de dentes já cerrados

- Passam 25 minutos -

Estamos deitados na cama. A celebrar. Exaustos. Finalmente fechou.

 

Só que aquilo que era a nossa mala passou a assumir uma forma um pouco própria. Uma espécie de OVNI das malas de viagem. Que aparenta ser uma mala. Mas ao longe, não há certezas.

Mas coube tudo!

 

O macaco ganhou a sua banana e o Hulk foi embora.

 

Toda esta metamorfose. Toda esta paixão.

Foi exactamente o pelo que passei neste Dia de Reis.

 

Como um bom menino nascido nos anos 80, que teve religião e moral na escola somente pela viagem de estudo, não aprendi muito sobre os costumes natalícios, mas como sempre gostei muito de prendas, o Dia de Reis ficou. Assim como a particularidade de ser o dia em que se desfaz a árvore de Natal.

 

Mas, além de ser um puto dos anos 80, sou acima de tudo um bom português. Como tal, só a desfiz ontem. Fora de horas.

 

Só que não correu bem. Nada bem. Deu luta. Muita luta. E claro, a besta tomou conta de mim.

 

Provavelmente este Dezembro, no próximo Natal, voltarei a ter muito cuidado a tirá-la da caixa. Voltarei a ser aquele pequeno pónei dócil,  tal como o fiz em 2017.

 

Resta é saber se ainda será uma árvore por essa altura. Temo que não.

 

Certamente estará bem mais careca, a avaliar pelo Outono precoce que lhe causei ontem.

 

Mas coube na caixa!

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

20 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo