Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

A minha namorada apanhou o bouquet

Um local de paz e reflexão, mesmo tendo ela apanhado o bouquet.

Queres namorar comigo?

Tudo começa com aqueles namoricos da primária,  em que a única coisa que se mantém ao longo da vida é que continuamos a preferir ir jogar à bola com os nossos colegas, no intervalo, do que ficar ali a "beijar" a rapariga naqueles pequenos gestos labiais que demoram cerca de 30 segundos até tocar e depois o beijo em si só é visível em vídeo-árbitro. Foi exactamente a partir daí que eu fui começando a perceber o que é ser um namorado ou até mesmo, o dito machão da turma, para elas.

 

Ora se na primária, o macho, vulgo machão, era o rapaz eleito pelas meninas como o mais bonito, em que todas lutavam para ter aqueles nano-segundos de encosto labial, a partir daí a coisa foi mudando. De facto, os critérios femininos nesta altura são bastante distintos. Do meu ponto de vista, bastante mais práticos até. Nesta altura até o magrinho podia ser rei da turma e nem tinha de ser bad boy. Bastava ter uma cara laroca e era meio caminho andado. Nenhuma rapariga no seu perfeito juízo procura um six-pack quando na realidade tem six-year. 

Felizmente eu era dos magrinhos. Proliferei.

 

Depois existiam aqueles rapazes mais altos e mais fortes. Esses, dentro do grupo dos rapazes tendiam a reinar, já que podiam lançar qualquer magrinho ao ar apenas com o seu braço esquerdo. Mas curiosamente não eram atractivos para as donzelas. Talvez por isso, os mais fortes na primária não exerçam tanto a sua fisicalidade e fiquem amigos dos magrinhos, exactamente para assim se aproximarem indirectamente das donzelas.

Agradeço-te muito por isso natureza, por não teres virado contra mim aqueles meninos grandes e fortes que era só quererem e eu, que até sou bom de bexiga, lá teria de andar a trocar sempre de vestuário "inferioró-interior".

 

Mas se o magrinho prolifera em tempos mais infantis da sua vida, já o piadolas não se safa tanto. É que humor "inteligente" [vá, de inteligência de sexto ano] na primária, é como servir caviar a quem só come bitoque. Até pode estar bom, mas o mais provável é vermos a rapariga com aquela cara de intoxicação humorística, ao provar pela primeira vez. 

Infelizmente, também desenvolvi o piadolas, ou como chamavam na altura de "O Chato". Não proliferei.

 

Ora não foi preciso esperar pela matemática dos sinais para perceber que "+" com "-" dá menos. É que embora estivesse safo pela cara laroca e a não valorização do six-pack, aquelas piadas constantes sobre o estado do país e que de facto foi muito bom termos aderido à comunidade europeia e mais importante, que os Delfins estavam a fazer uma tournée muito interessante ao longo de todo o país, não era material de engate de primeira. Na realidade, nem hoje o é.

 

Aliás se querem realmente saber se a vossa respectiva vos ama, basta fazerem como eu fiz nesta idade. Se quiserem envio-vos um manual completo de desengate perfeito. Passo a passo. Basta pedirem. Se após esse teste, olharem para o lado e ainda existir uma mulher apaixonada por vocês, vos garanto, é amor verdadeiro.

 

Ou então parabéns! Já podias ter dito pá! És abastadamente rico, meu malandro!

 

Eu, infelizmente, rico não sou. Não proliferaria mais uma vez.

 

Mas a verdade é que ela apanhou o bouquet na mesma.

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo