Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

A minha namorada apanhou o bouquet

A história de um rapaz e a namorada que apanhou o bouquet...

O que é um Like?

Este nome que apareceu do nada nas nossas vidas e que se propagou de tal forma que se pararmos agora para pensar já nem conseguimos imaginar bem como era o mundo antes de ele existir.

Mas o que é um like? O que significa verdadeiramente aquele botão que alguém achou por bem colocar ali para nós clicarmos?

 

Ainda se lembram como foi o início? Quando tudo começou? Foi a loucura total.

Toda a gente usava e abusava do like, era like a torto e a direito a tudo o que aparecia à frente. Nem era preciso gostar ou não, sabia-se lá na altura o que raio "Like" queria dizer! Fazer like era na altura uma das melhores formas de mostrar que estávamos vivos no mundo virtual, era a chamada do livro de ponto a que dizíamos presente. E claro, sendo novidade, de tão cool que era, tínhamos de ser logo os primeiros a deixar a nossa marca. Era a verdadeira corrida ao like.

 

"A Joana vai-se roer toda, por eu ter posto o like e ela ainda não!" [Eram assim as minhas colegas - A darem-se bem.] 

 

Por isso, no meio de tanta loucura, era normal ver fotos de cachorrinhos fofos e queridos a serem espancados com cerca de 1 Milhão de likes e esse mesmo milhão sedento por mais.

Até que, como em tudo na vida, a novidade acaba.

Assim que a oferta foi subindo e ultrapassou a procura, tudo mudou. Já toda a gente fazia like, desapareceu a magia. Já não havia aquela chama.

E é com essa mudança que chegamos aos dias de hoje em que as pessoas são bem mais selectivas no seu like. Chegando até a pensar duas vezes, com o dedinho já bem no ar, se de facto querem que toda a gente saiba que vão fazer aquele like. Principalmente se temos namorada e, por engano, damos com uma foto de uma menina que, por acaso, veste muito bem de personalidade. Ai que luta interna esta, a do meu amigo Carlos.

 

O like mudou é certo. Tornou-se num bem precioso, pessoal e também questionável, uma espécie de esmola virtual que só damos a quem queremos ou podemos, a nossa última verdadeira rebeldia, o nosso voto.

Não tenham ideias, já não há borlas com antigamente. Querem o meu like? Trabalhem para ele!

 

O like ficou importante. De tal forma que hoje é a medida da nossa performance social.

Qualquer dia os arrumadores já não pedem moedas. Pedem para fazer like na página deles.

 

Diz-me quantos likes tens, digo-te quem és. 

 

 

"Boa P.A, gostei muito do teu post de hoje! Toma lá o meu like para ires ali beber um cafezinho..."   

 

Obrigado, acho eu...

 

P.A.


E fazer like na página do facebook, não?

O melhor email do mundo

Já ouviu certamente falar de emails, mas o que lhe apresento hoje e me fascina particularmente é a forma como são escritos. 

Principalmente quando começa a escrever aquele email a alguém que, de alguma forma, o ofendeu. Nesse caso tem de sair perfeito, tem de ser o melhor email do mundo.

Enquanto numa SMS, diz algo como "Vai pastar oh bandido!" carrega no enviar e está resolvido. Num de email não. É bem mais complexo.

 

É algo que escreve com toda a sua honra, como se sempre tivesse feito parte de si e que, a partir do momento em que o envia, está disposto a dar tudo por ele. O melhor email do mundo é encarado como uma espécie de preparação das alegações finais de um grande caso homicídio, em que tudo é analisado ao detalhe e nada pode falhar, em que a SMS "Vai pastar oh bandido!" se transforma em algo como:

"

Caro senhor João,

Recordo-lhe que em Abril de 2014, durante o período em que esteve na minha presença o senhor não prestou a devida atenção ao que eu lhe disse. Como tal, desejo que vá alimentar-se de erva, malfeitor!

 

Com os melhores, embora ligeiros, cumprimentos,

P.A

"

Mas o processo não termina aqui.

Esta situação incomoda-o de tal forma que algumas vezes até precisa de enviar primeiro a alguém que conheça a situação, para que esta possa validar se o que escreveu está ou não no ponto. Acrescenta ao titulo "Vê lá o que achas desta minha versão, diz qualquer coisa" e envia ao seu validador de emails de serviço.

Se por acaso essa pessoa opinar sobre alguma parte que goste em particular, como por exemplo: "Eu tiraria a parte do 'malfeitor!', é muito agressivo e ofusca a tua razão!" - Você agradece prontamente, mas na realidade só lhe apetece mandá-lo pastar também e deixa ficar tudo como estava.

Por fim envia.

Nesse momento um sentimento de alívio e de dever cumprido toma conta do seu peito, acompanhado de um sorriso rasgado numa espécie de "Sou fantástico a enviar emails!" e começa automaticamente a imaginar como será o choque e a derrota do receptor ao ler o seu poderoso email.

Passa um dia, e depois de ter ido à sua página de email mais vezes que o presidente Marcelo faz presenças institucionais, começa a ponderar se terá sido forte demais ou se lhe terá escapado alguma coisa. A dúvida toma conta de si. 

Decide então voltar a ler. Não é algo fantástico? Passado um dia voltar a ler o email que já enviou de vespera? Fascinante.

Abre a pasta dos enviados e, quando abre, dá de caras com algo de errado. Volta a olhar para ter a certeza e não quer acreditar! Aconteceu mesmo...

Enviou o email com o título que era somente para o seu validador ["Vê lá o que achas desta minha versão, diz qualquer coisa"] .

 

O mundo cai aos seus pés.

 

É tarde demais.

 

O melhor email do mundo....

 

Passou a ser a sua maior vergonha.

 

(imagem

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Onde anda o fair-play?

Que se passa afinal por estes dias? Que clima de crispação é este que embirra em não desaparecer?

Por que motivo o sinónimo de futebol por terras de Camões se resume a uma semana de intrigas, novelas e insultos que por acaso, no fim de semana, têm ali uns joguitos aparentemente insignificantes, que apenas servem de mote para a novela da semana seguinte?

Eu que não sou muito de novelas seria pedir muito para ver descansado aqueles joguitos que pouco vos interessam? É assim tão descabido?

Temos de andar todos armados com o uniforme de guerra dos tempos modernos em que se transformou o equipamento do nosso clube?

Sim? Então diga-me para quê? É que ainda não percebi o objectivo de tal recruta.

 

Nem eu como Benfiquista, nem a minha amiga Sofia como Sportinguista.

 

Tanto que como prova da nossa inocência vimos o Sporting - Benfica deste sábado juntos. E espante-se, gostámos.

Não houve novelas, não houve agressões, nem insultos, houve sim brincadeira, golos (de imperial e os do próprio jogo, claro) e no fim uma vontade enorme de repetir a experiência. Definitivamente não temos perfil para a recruta.

Fomos fracos e perdemo-nos em toda aquela antítese de emoções constante que é ver um jogo de eternos rivais, em que quando a Sofia levava as mãos à cabeça, eu suspirava de alívio. Ou até mesmo quando soltei aquele berro de golo quando o improvável Lindelof marca o livre, a Sofia, embora triste, reconheceu o grande momento e em nada impediu mais um brinde ao jogo. 

É isto o futebol. Brindemos.

 

Mas voltando à pergunta do título deste post - Onde anda o fair-play?

Aquele que quando se fala, parece sempre algo distante, externo à nossa pessoa, como se o fair-play nos fosse sempre conjugado na terceira pessoa.

Já se perguntaram o que é na realidade o fair-play? Seja no futebol, trabalho, amizade, amor ou mesmo ao longo da nossa vida?

 

Meus amigos, é muito mais simples do que isso:

 

O fair-play somos nós.

 

 Imagem gentilmente cedida pela ilustradora Rita Correia

 

P.A e Sofia

 

Uma saudação especial à nossa amiga blogger Kikas que também fez parte deste post mas infelizmente acabou por não ser possível estar connosco. Fica agendado para o próximo derby Kikas?


E fazer like na página do facebook, não?

O Bar do Fundo

Parece que o verão está quase aí à porta, e é tão bom, não é? Quem não está já farto do tempo frio e do inverno? É hora de ir buscar as roupas de verão e aproveitar estes fantásticos dias de primavera.

 

Foi isso que fizemos num destes magníficos fins de semana de sol com temperaturas acima dos 20ºC.

Saímos de casa rumo a Sintra, mas desta vez passámos pela romântica vila (que adoro) e fomos até à Praia Grande. O bom tempo a isso obrigava.

Já se encontravam algumas pessoas a fazer praia, muitas mais a passear por ali e, o que mais saltava à vista, eram os ainda mais surfistas (óbvio que o P.A. não achou muita piada a esta parte).

 

IMG_1260.JPG

 

Hora de almoço. Já há algum tempo que queríamos ir conhecer o Bar do Fundo. Aquele foi o dia! Tivemos sorte de ainda encontrar lugar na esplanada. Mesmo que não tivéssemos, dentro do restaurante todos os lugares têm vista privilegiada para o mar, não estivesse ele debruçado sobre a praia.

 

 

IMG_1242.JPG

 

É um restaurante muito acolhedor, em madeira, a decoração é vintage-moderna, o que o torna um sítio mesmo querido e à beira-mar. 

 

IMG_134r.JPG

 

A comida, por sua vez, não fica nada atrás. É deliciosa! Há entradas, marisco, petiscos, peixe fresco, pratos (de carne e peixe) um pouco mais pesados para quem quer ir mergulhar a seguir, e sobremesas… Bem, sobremesas que em nada ajudam os fatos de banho. Ahaha

 

IMG_1266.JPG

 Amêijoas à Bulhão Pato

 

IMG_1267.JPG

Polvo à Lagareiro

 

 

IMG_1270.JPG

 Bife de Atum à Bar do Fundo

  

IMG_1271.JPG

 Bola de gelado de tarte de amêndoa - “A Tarte”

Sim, aqui podemos encontrar “A Tarte” e não só. Podemos também encontrar o gelado, que é óptimo! Ficamos na dúvida se estamos a comer gelado ou tarte de amêndoa mais fresquinha.

 

 

 

Bem, e posso-vos dizer que melhor do que almoçar no Bar do Fundo, mesmo à beira mar… Acho que só ir jantar e assistir ao pôr do sol!

 

Fica a dica P.A.!

 

 

A namorada que apanhou o bouquet

 


E fazer like na página do facebook, não?

Telemarketing ou Telenovela?

Eu sei, é um tema tão batido que já nenhuma seguradora o aceita como cliente.

Mas esta semana dedicaram-me tanto tempo, que seria até rude da minha parte eu não lhes devolver o mimo.

 

Caro operador, eu tentei tudo consigo. Tentei ser simpático para si porque sei que não é fácil ser aquela pessoa que só leva negas no secundário em idade adulta, tentei ser directo porque imagino que oiça já muitas histórias, ausente para não me chatear consigo, até que tive de ser bruto quando nenhuma das anteriores resultou e descobri que afinal deve gostar mesmo de ser aquela pessoa do secundário.

E mesmo assim, depois desta história toda tenho aqui outra chamada sua? Desculpe lá mas falhou a profissão, isto não é telemarketing é telenovela!

 

Ainda por cima a Joana da voz sexy e o seu pacote exclusivo do primeiro telefonema só me ligou uma vez, a marota. Eu que me aguentei firme e não dei logo o sim. Fiquei de pensar melhor no belo pacote dela e prontificou-se logo a ligar-me mais tarde. Rolou aquele clima e tudo. E que belo pacote era...

Assim foi. Toca segunda vez, tinha eu já treinado a voz, atendo, perfumado, penteado, confiante e quando estou prestes a dizer "Olá Joana..", apresenta-se um tal de Francisco de voz máscula. Olha, interessante, está a fazer-se de difícil a Joana.

Mas o que me partiu mesmo o coração foi saber que o tal pacote especial que a Joana me tinha prometido e que era exclusivo, afinal o Francisco não o oferece. 

Bandida da Joana.

Não se pode mesmo confiar em Joanas operadoras. Claro que fiquei chateado e já não comprei nada ao Francisco.

Desliguei. Voltaram-me a ligar mais 2 vezes. Fui forte e deixei a Joana sofrer. Estava arrependida pela certa. Era mais do que merecido.

 

Não fosse isto uma novela, à terceira atendi. Era agora uma Filipa. Mandou a amiga tirar nabos da púcara - esperta esta Joana.

Voltei a dizer, já ligeiramente cansado, que com tanta confusão e chamadas não estava interessado em pacote algum e não é que a Filipa me oferece o pacote igual ao da Joana? Grande melhor amiga! Sim senhor. A outra pede-lhe ajuda e esta faz-se logo ao P.A.

Enfim, Filipas operadoras também não, está visto.

Fui fiel, mantive o não.

 

Passados 30 minutos, e com tanta insistência, atendo novamente jurando que seria a última vez.

Era a Filipa novamente. E não é que ainda tentou melhorar o pacote dela?  Que dupla facada. Não me aguentei, tive de ser bruto!

Não se faz isto à melhor amiga! 

 

Agora tenho aqui outra chamada. Querem saber como resolver isto definitivamente quando nada mais resulta?

Já não há mais Joanas, Franciscos ou Filipas. Acaba logo a novela. 

 

Atendam e façam mute. 

"FIM"

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Afinal o que é o bouquet?

O post de hoje nasceu ontem. Não houve planeamento familiar. Foi um acidente, uma espécie de post não desejado, mas que aconteceu. E logo eu que sou a favor do post seguro.

Nasceu por acaso quando estava a verificar as estatísticas do blog, que sofreu recentemente umas alterações por parte da equipa do Sapo. 

Eu de facto já vinha a estranhar o aumento de visitas no blog. Por qualidade dos posts do autor não seria certamente.

E além disso, desde Março que não pago à minha família para cá vir. Por que raio as visitas sobem na mesma?

O enigma ficou finalmente resolvido ontem:

termoDePesquisa.png

Afinal bouquet e namorada na mesma frase até pode abrir caminho a outras coisas.... E aparentemente bem mais positivas do que o meu propósito aqui. De qualquer forma, mesmo sendo este o verdadeiro motivo das visitas dos meus leitores, vou ter de resolver isto:

Pequeno Américo chega aqui. Senta-te aí que temos de ter A conversa.

A namorada e o bouquet que ela apanhou, que o tio P.A fala aqui, não tem nada a ver com o que os vizinhos do terceiro esquerdo aos sábados, por essas 10:32 fazem, está bem? Não tem nada a ver com remodelação de mobiliário do quarto que ouvimos sempre a arrastar e que de vez em quando se aleijam e depois claro, gritam alto, os descuidados. Nada relaccionado, pequeno Américo.

Este bouquet é um ramo fofinho muito bonitinho que a noiva leva para os casamentos apenas para tramar a vida a um solteiro qualquer que lá esteja e que, por azar, levou também a namorada. É só isso. No lançamento do tal bouquet, também tens gritos, saltos, mãos no ar, às vezes roupa rasgada e normalmente até dura mais tempo que a remodelação do vizinho do terceiro esquerdo. Mas é só isso. A namorada não faz bouquet, está bem?

No entanto se a pequena Carolina te quiser oferecer um bouquet, pensa bem. Não é bem melhor ver os Power Rangers do que começar já a arrastar móveis tão cedo? Isso dá-te cabo dessas costas!

 

Vá, vai lá brincar agora aos médicos vá.

  

P.A.

(E um obrigado especial à equipa do Sapo que tornou possível este post indesejado.)


E fazer like na página do facebook, não?

Você Decide

Hoje pode-me chamar de preguiçoso. Aceito.

Primeiro porque estou a publicar agora e devia ter sido ontem. Depois porque isto hoje vai ser diferente.

 

Vou-me armar em escritor de mini-novelas dos anos 90 e criar aqui uma espécie de Você Decide.

Quem se lembra deste belo programa da TV da altura com o António Sala? Quem disser "Eu", lamento por si.

É tão ou mais idoso quanto eu.

Basicamente, para quem não conhece o estilo, quando se chegava a uma fase final de novela, série, telefilme, etc, o escritor como era preguiçoso na tomada de decisões e não estava para se chatear muito com o assunto, filmava dois fins possíveis que depois iam a votos pelos telespectadores. Quando a votação terminava, estava o escritor em casa com o whisky na mão, já no seu terceiro charuto, com as pernas em cima da mesa e o trabalho era feito por quem ligava. Missão cumprida. Belos trabalhinhos havia...

Mas até era emocionante.

Foram das primeiras lutas do bem contra o mal que assisti na TV. Sim, porque durante esse episódio e até à fase da escolha, ia aparecendo a percentagem de votos para cada fim. O suspense tomava conta do pequeno P.A que acompanhava ao segundo aquela incerteza constante. Ainda me lembro de ver algo como:

"Gertrudes mata Álvaro" - 51%

"Gertrudes não mata Álvaro" - 49%

 

Isto é muita responsabilidade nas mãos. Muita pressão.

Além de cúmplice de homicídio, claro.

Mas é muita responsabilidade para uma pessoa. Afinal a vida de Álvaro estava à distância de um telefonema.

"Não somos nada..." - não é o que se diz? Bem verdade...

 

Bom, a votação terminava e lá ficava meio país contente e outra metade furiosa pelo Álvaro afinal ainda se ter safado.

Em alguns casos, quando os dois fins eram, de facto, igualmente interessantes, acabavam por passar ambos e o país respirava de alívio.

 

E pronto era esta a televisão interactiva, qual realidade aumentada ou 3D, que existia Portugal nos anos 90.

 

No fundo é como o caso que vos trago para hoje caros "teleleitores".

Apresento-vos dois caminhos de leitura sobre mim e vocês agora façam o que bem entenderem que eu vou ali e já venho. Mas só vos digo isto, vejam os dois. Vão ver que vale a pena.

 

Caminho nº1: Era uma vez

Este bonito e jovial caminho onde podem ficar a conhecer um pouco melhor como era a minha rotina de criança de bibe aos quadrados vermelhos no infantário. Tudo patrocinado pela sempre simpática Miss Unicorn.

 

 

Caminho nº2: Que música te faz ficar no carro

Este já é um caminho mais acidentado, confesso. No entanto, de igual qualidade ao primeiro. Por aqui podem ficar a saber que tipo de melodias/músicas me fazem ficar no carro. Além de todo um conjunto de opiniões muito duvidosas relativamente à minha pessoa.

Tudo com selo de garantia de uma tal de Mãe dos PP's.

 

Você Decide.

 

(imagem)

 

P.A.


E fazer like na página do facebook, não?

Volta ASAE, estás perdoada

Acho que nunca comentei um programa de televisão por aqui, mas neste caso não podia deixar passar.

Falo do Pesadelo na Cozinha.

 

A TVI que noutros capítulos não me seduz tanto, aqui acertou em cheio. Muito se fala de serviço público na televisão e sinceramente este é, para mim, o verdadeiro exemplo. Algo que tem o propósito de corrigir e melhorar o que vamos usufruir é obviamente útil e necessário. E para isso precisamos de um choque. Precisamos do choque que é conhecer primeiro a nossa realidade.

As audiências contam, tem publicidade, vocabulário mais forte (algumas vezes bem necessário para quebrar algumas personalidades muito próprias), sim, tem isso tudo, afinal é um programa de televisão, mas no fim temos algo a que eu chamo de Educação Culinária, para não falar das supostamente básicas Higiénica e Cívica.

Conhecia a versão original e não pensei vir a apreciar a nossa. Até porque julguei que não teríamos tanta matéria prima lastimável. Infelizmente enganei-me. Mas já lá vamos.

 

Vamos recuar um pouco no tempo. Quando ainda não existia este programa. Ao tempo em que a ASAE era vista como uma entidade ditatorial que impunha normas abusivas, ridículas e que fechava a seu belo prazer restaurantes, apenas porque podia. Esta era uma opinião relativamente generalizada. Uma espécie de prima da EMEL que só existe para lixar a vida do português trabalhador.

E agora?

Sinceramente? Acho que a grande beneficiada pelo programa é a própria ASAE. O português vê finalmente as condições lastimáveis de um restaurante que aparentemente até está bom. Principalmente para aquele cliente normal e habitual que entra e só se senta à mesa para ver a bola.

A nossa mesa, pratos, talheres embora impecáveis, não reflectem o que se passa logo ali ao lado, na cozinha. Para não falar dos pratos com molho da casa com um sabor distinto, derivado de um tal "ingrediente secreto do Chef", bom, aqui se já viram o programa saberão a que "ingrediente" me refiro.

 

ASAE, falo para ti.

Seria inteligente da tua parte perceberes o sucesso deste programa versus a tua má fama. Afinal o que falta?

Simples, faltam-te imagens. Faltam-te as provas de que não vives na soberba do teu poder. Basta-te isso.

E prova disso tem um nome. Chama-se Pesadelo na Cozinha.

 

E já ninguém te disse nada por teres fechado "O Canela", pois não?

 

Agora até já chamam por ti.

 

Volta ASAE, estás perdoada.

 

 (imagem)

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Eu Adoro a Páscoa

A tradição Pascal é algo que não existe nas grandes cidades. A única tradição que conheço daqui (Lisboa) e tenho seguido ultimamente é de ser dos poucos que trabalha na véspera da Sexta-feira Santa. Somos bastante religiosos. Eu e o porteiro.

Por isso sim, estamos cá hoje fielmente, mais um ano. Adoro a Páscoa.

 

Bom, mas tradição essa à parte apresento-vos hoje a que melhor conheço do interior do nosso país. Na verdade eu conheço-a agora, mas a primeira vez ninguém me avisou e eu não estava preparado para tudo o que implicava a célebre visita Pascal do padre da paróquia.

Ora, cada casa tem de ter a sua porta aberta e mesa posta como oferta ao senhor padre e a quem queira aparecer. Buffet infinito casa a casa? Adoro a Páscoa!

 

Mas o que não conhecia é que após o tocar do sino alertando para a chegada iminente do senhor padre existia um ritual.

Um ritual semelhante à onda nos estádios de futebol. Bem, não é a mesma coisa, na realidade já está tudo de pé e não se levantam os braços. Basicamente comecei a ver uma escadinha de cabeças a movimentarem-se numa direcção que nem peças de dominó e em breve eu seria a peça do dominó seguinte.

Vinham dois senhores a segurar uma imponente cruz e todas as pessoas se inclinavam e beijavam o centro da cruz. Uma após a outra, da mais idosa à mais nova, lá saía uma beijoca. Ora eu que com esta idade ainda não apanhei herpes, não ia ser ali certamente.

No entanto, estava em apuros. Onde me encontrava, no cimo das escadas à porta de uma casa, não tinha fuga possível a não ser descer a pé todas as escadas onde se encontravam já diversas pessoas em posição de dominó, correndo o risco de, a meio, ficar preso e em contra-mão com os senhores da cruz. Fiquei. E tive uma brilhante ideia. Plano B.

Quando estiverem a 3 degraus de mim, recebo uma chamada importante que tenho de atender e pronto fica resolvido.

Assim foi. Atendo a chamada fantasma, falo algo imaginário e o plano corre bem, passaram por mim. Continuo sem herpes.

Mas mesmo quando suspiro de alívio, oiço um dos senhores da cruz:

"Epa você tem um grande telemóvel! É que aqui não se apanha rede nenhuma!"

 

Não sei se já vos disse, mas..

Adoro a Páscoa...

 

(imagem

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

United Airlines

A companhia aérea onde quem entra como médico sai como paciente.

Eu, sendo informático, tenho de ter cuidado. Não dava nada jeito formatarem-me agora. E depois as fotos?

Bom, preocupações minhas à parte, vamos lá perceber o enredo deste thriller:

 

Tudo começou há duas semanas quando não permitiram a entrada de duas raparigas por envergarem umas finas e justas leggings.

Agora imaginem se fizessem isto também nos ginásios?

Já não andava lá macho nenhum por esta altura. E andou esta gente 4 anos a estudar Gestão.

 

Bom, agora o mesmo gestor tem um problema entre mãos, qual é a melhor forma de tapar uma semi-caricata situação de uma empresa?

Mudar de comportamento? Reconhecer o caso mas tratá-lo como algo isolado?

Não. Não chega.

Vamos lá criar algo ainda mais caricato e nunca antes visto, assim ninguém se vai lembrar das leggings da semana passada. Concordo consigo gestor. Tem lógica. Eu próprio, depois desta notícia tive bastante dificuldade em me lembrar da anterior, mais uma semana e já não me lembro, pela certa.

 

O cenário escolhido foi um voo de Chicago para Louisville na passada segunda-feira. E quando já estavam todos os passageiros no avião, com bilhete pago, check-in feito, surge a indicação que o voo estava sobrelotado e 4 pessoas teriam de abandonar. Se fosse um gestor português, punha ali logo uma cadeira em cada esquina e estava feito. Mas como mais uma vez não havia nenhum português para resolver a situação e ninguém se voluntariou para sair mesmo com 400 dólares de indemnização e noite paga no hotel, subiram para 800. Duas pessoas aceitaram e o gestor tremeu, tremeu por pensar que iria acabar ali e ele sem história. Mas não, ficaram a faltar 2 lugares. Foi necessário efectuar um sorteio e um dos felizes premiados foi um senhor de traços asiáticos.

 

E foi exactamente este senhor de traços asiáticos que salvou o gestor. Quando depois de sorteado, recusou sair, indicando ser médico e com consultas marcadas com pacientes, sendo imperativa a sua viagem. Acabou imperativamente arrastado pelo corredor do avião, como se de uma criança a fazer birra no hipermercado se tratasse. Ainda conseguiram no meio de tantos puxões enviar a cara do senhor contra o banco do lado, ficando o mesmo um forte candidato a vencedor do Halloween 2017.

 

Leggings? Quando? Não me lembro.

 

E assim se gere.

 

(imagem)

 

 

Podem ver o vídeo aqui.

 

P.A


E fazer like na página do facebook, não?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Mais sobre mim

imagem de perfil

Queres mais conteúdo do bom? Segue-me no Bloglovin que eu depois digo-te onde.

Arquivo